Um breve passo a passo dos cientistas cristãos na história.

Lista de cientistas cristãos

Quem se  preocupa com o debate sobre a existência de Deus já se deparou com as famosas falácias neo-ateístas de que a fé é inimiga da razão. Os ateus insistem em dizer que as pessoas mais cultas e inteligentes negam a existência de divindades. Os maiores nomes da ciência, insistem eles, eram ateus. Será mesmo que isso é verdade?

Uma revisão do prêmio Nobel  de 1901 e 2000 revela que (65,4%) dos Prêmios Nobel foram laureados aos cientistas cristãos.  Identificaram o Cristianismo em suas várias formas como a sua preferência religiosa. Em geral, os cristãos ganharam um total  de 78,3% de todos os Prêmios Nobel da Paz, de 72,5% na área de Química,  65,3% em Física,  62% em medicina,  54% em Economia , e de 49,5% do total de prêmios de literatura.

Siga abaixo uma lista de pensadores cristãos da ciência que podemos observar desde o Edito de Milão até os dias de hoje. Lembrando que existiram e ainda existem muitos cientistas crentes em Deus mas que nunca se converteram ao cristianismo. Esses, é claro, não aparecerão na lista.

313-100 dC (4º ao 10º século)

Em 313 o Edito de Milão terminou a perseguição aos cristãos no Império Romano. Embora este não seja o início do cristianismo, pode muito bem ser o início de muitas conquistas dos cristãos  registradas em muitas actividades, incluindo a ciência.

Santo Isidoro de Sevilha 560-636. Considerado “o último acadêmico do mundo antigo”.
Santo Isidoro de Sevilha
560-636. Considerado “o último acadêmico do mundo antigo”.

Durante a antiguidade tardia e o início da Idade Média, foi utilizada a abordagem aristotélica à perguntas sobre o fenômeno natural. Algum conhecimento antigo foi perdido ou, em alguns casos, mantidos na obscuridade durante a queda do Império Romano e lutas políticas periódicas. No entanto, os campos gerais da ciência ou da filosofia natural, como era chamada, e grande parte do conhecimento geral do mundo antigo permaneceram preservadas como as obras dos enciclopedistas adiantados como Isidoro de Sevilha, por exemplo. Além disso, nos territórios do Oriente Médio do Império Bizantino, muitos textos gregos foram preservados em siríaco, muitos dos quais foram traduzidos para o árabe sob o governo islâmico, durante o qual vários tipos de aprendizagem clássicas foram preservadas e, em alguns casos, melhoradas.

  • Nemesius: (? dC – dC 390) foi um filósofo cristão, e autor de um tratado De Natura Hominis (On Human Nature). De acordo com o título de seu livro, ele foi o bispo de Emesa (na atual Síria). Seu livro é uma tentativa de elaboração de um sistema de antropologia do ponto de vista da filosofia cristã .Misturando teologia com medicina galênica, é notável por suas idéias sobre o cérebro. Ele também pode ter antecipado a descoberta do sistema circulatório.
  • John Philoponus: (dC 490 – dC 570.) também conhecido como João gramático ou João de Alexandria, foi um filólogo Alexandrino, comentador aristotélico e teólogo cristão, autor de um número considerável de tratados filosóficos e obras teológicas… Sua crítica a física aristotélica foi importante para a ciência Medieval. Ele também teorizou sobre a natureza da luz e as estrelas.
  • Isidoro de Sevilha: (dC 560 – dC 636..): Arcebispo que preservou muitas seleções científicas do mundo antigo. Sua obra mais popular foi Etymologiae que contém informações sobre medicina, matemática, astronomia, teoria atômica, geografia, agricultura, zoologia, mineralogia, fisiologia, e outros tópicos. Seu trabalho foi amplamente utilizado ao longo dos tempos medievais para sua extensão de temas de investigação.
  • Bede, o Venerável: (dC 672 – dC 735.): também conhecido como São Beda ou Beda o Venerável.  Monge católico, venerado como um santo e doutor da Igreja. Foi uma forte influência para o conhecimento medieval da natureza.
  • Rábano Mauro: (dC 780 – dC 856.): também conhecido como Hrabanus ou Rhabanus, foi um monge beneditino franco, o arcebispo de Mainz, na Alemanha e também teólogo. Foi o autor da enciclopédia De Rerum Naturis (da natureza das coisas” ou “do universo”). Também escreveu tratados sobre educação e gramática e fez comentários sobre a Bíblia. Era um dos professores e escritores da época carolíngia mais proeminentes, e foi chamado de “Praeceptor Germaniae”, ou “o professor da Alemanha.”
  • Leão, o Matemático: (dC 790 – depois de 869.): Arcebispo de Tessalônica, mais tarde  se tornou o chefe da Escola Magnaura de filosofia em Constantinopla, onde ensinou lógica aristotélica. Leão também compôs a sua própria enciclopédia médica. Ele tem sido chamado de um “verdadeiro homem do Renascimento” e “o homem mais inteligente em Bizâncio no século IX”.
  • Hunayn ibn Ishaq: (dC809 – dC873.): Médico cristão assírio conhecido por traduções de obras científicas gregas e como autor de Ten Treatises on Ophthalmology “Dez tratados sobre oftalmologia “. Ele também escreveu  How to Grasp Religion “Como se agarrar á Religião”, que envolveu as justificativas para a sua fé.
  • Qusta ibn Luqa: (dC 820 – dC 912): melquita, médico, cientista e tradutor. Escreveu comentários sobre Euclides e um tratado sobre a esfera armilar. A tradução para o latim de seu trabalho “sobre a diferença entre o espírito e a alma (De Differentia Spiritus et Anime) era uma das poucas obras não atribuídas a Aristóteles que foi incluída em uma lista de “livros a ser lidos” pelos Mestres da Faculdade de Artes, em Paris, em 1254, como parte de seu estudo de Filosofia Natural”. Ele era conhecido por trabalhos médicos e admirados pelos muçulmanos, assim, como o Regime de Medicina para os peregrinos em Meca.

1001-1200 dC (séculos XI e XII)

CURTA NOSSA PÁGINA NO FACEBOOK.

Mesmo até o ano  1000, a Europa Ocidental continuou a ser um remanso em comparação com outras regiões do mundo. Enquanto a população na Constantinopla ultrapassava 300.000, Roma tinha meros 35 mil habitantes e Paris apenas 20.000. Este novo período, no entanto, viu a prosperidade e aumento rápido da população, o que provocou uma grande mudança social e política.

Papa Silvestre II: A.D 950 — 12 de maio de 1003
Papa Silvestre II: A.D 950 — 12 de maio de 1003

Durante o Renascimento do século XII, o interesse pelo estudo da natureza foi revitalizada através de um movimento de translação intensa com vista a textos científicos gregos e árabes. Escolas monásticas e catedral teve um papel de liderança em estudar estes textos e teorizando sobre os novos conhecimentos que eles trouxeram. Ao mesmo tempo, um importante novo tipo de instituição de ensino superior estava sendo desenvolvido: a universidade.

  • Papa Silvestre II: (950-1003.): Monge beneditino, cientista, professor, e mais tarde  papa;  promoveu tal conhecimento como matemática e astronomia na Europa. Como professor da escola da catedral de Reims, ele elevou à altura de prosperidade. Também introduziu o ábaco e esfera armilar para a Europa, o que havia sido perdido no continente desde o fim da era greco-romana.
  • Hermann de Reichenau: (1013-1054): aleijado por uma doença paralítica desde a infância, foi um acadêmico, compositor, teórico musical, matemático e astrônomo do século XI. Compôs a oração “Mariana Alma Redemptoris Mater” e também  “Salve Rainha”. Mais tarde foi beatificado pela igreja católica.
  • Hugo de São Victor: (1096-1141): Místico influente e filósofo que abraçou a ciência como uma ferramenta para se aproximar de Deus. Era mestre da escola monástica de Saint Victor. Sua obra apresenta o conhecimento da realidade como redentor do homem caído; e tecnologia como fonte de alívio físico e capaz de ajudar a reunir o homem com a sabedoria divina. “Saiba tudo”, insistiu ele; “mais tarde você vai ver que nada é supérfluo”.
  • William de Conches: (1090 – depois de 1154): filósofo escolástico que procurou expandir humanismo cristão, estudando obras seculares dos clássicos e fomentou a ciência empírica. Ele segurou uma explicação atomística da natureza, e sua Hexameron é um exemplo notável do naturalismo que veio a caracterizar contas medievais posteriores dos seis dias da criação. Ele era um dos principais membros da escola da catedral de Chartres.
  • Hildegard de Bingen: (1098-1179): beneditina abadessa, escritora, compositora, filósofa, mística, visionária, polímata e primeira médica do sexo feminino da Alemanha. Ela realizou e publicou estudos exaustivos sobre as ciências naturais e medicina. Hildegard era bem conhecida em seu próprio tempo como “a profeta do sexo feminino” e é venerada como um santa católica.

1201-1400 dC (séculos XIII e XIV)

A tradução de textos científicos continuou. Por volta de 1200, havia versões razoavelmente precisas das principais obras clássicas.

Roger Bacon 1214 — 1294) acreditava que a filosofia podia ajudar na conversão dos não-crentes
Roger Bacon (1214 — 1294) acreditava que a filosofia podia ajudar na conversão dos não-crentes

Enquanto isso, as novas universidades foram se espalhando rapidamente pela Europa e proporcionando uma nova infra-estrutura para as comunidades científicas. Elas se tornaram as principais instituições em que foram estudados e elaborados os novos textos.

Na verdade, o currículo universitário medieval colocou muito mais ênfase no conhecimento científico do que o seu descendente moderno. Isso tudo leva ao trabalho científico inovador que está sendo feito, especialmente no século XIV.

  • Robert Grosseteste (1175-1253): Bispo de Lincoln,  foi o personagem central do movimento intelectual Inglês na primeira metade do século XIII e é considerado o fundador do pensamento científico em Oxford. Tinha um grande interesse no mundo natural e escreveu textos sobre as ciências matemáticas de ótica, astronomia e geometria. Ele afirma que as experiências devem ser utilizadas a fim de verificar uma teoria, testando as suas consequências e influenciou fortemente para o desenvolvimento do método científico.
  • Papa João XXI: (1215-1277): escreveu o amplamente utilizado texto médico Thesaurus Pauperum (Tesouro dos pobres) antes de se tornar Papa. Quando assumiu o cargo como papa em 1277, imediatamente reprimiu a heterodoxia incluindo obras de Averróis e ensinamentos sobre Aristóteles.
  • Albertus Magnus: (1193-1280): frade dominicano alemão e bispo católico. Conhecido durante sua vida como médico universal e doutor de experimento. Estudiosos como James A. Weisheipl e Joachim R. Söder referem-se  a ele como o maior o filósofo alemão e teólogo da Idade Média. Ele escreveu que: “A ciência natural não consiste em ratificar o que já foi dito, mas em buscar as causas dos fenômenos.” No entanto, rejeitou elementos do aristotelismo que conflitavam com o catolicismo e baseou-se em sua fé.
  • Roger Bacon (1214-1294):  também conhecido como Doctor Mirabilis (Doutor Admirável) foi filósofo inglês que deu bastante ênfase ao empirismo e ao uso da matemática no estudo da natureza. Estudou nas universidades de Oxford e Paris. Contribuiu em áreas importantes como a Mecânica, a Filosofia, a Geografia e principalmente a Óptica. É considerado um dos mais famosos frades de seu tempo.
  • Teodorico de Freiberg: (1250-c.1310): foi um membro alemão da ordem Dominicana, teólogo e físico. Acredita-se que foi ele a ter dado a primeira explicação correta para o arco-íris. Na teologia ele discordou com Tomás de Aquino em posições metafísicas e tendeu para uma perspectiva mais neoplatônica de Aquino.
  • Thomas Bradwardine (c.1290-1349): arcebispo inglês, muitas vezes chamado de “o Doutor Profundo”. Desenvolveu estudos como uma das Calculadoras de Merton College, da universidade Oxford. Estes estudos levaria a desenvolvimentos importantes na mecânica.
  • William de Ockham (1285-1350): frade franciscano inglês e filósofo escolástico. Figura importante do pensamento medieval e estava no centro das principais controvérsias intelectuais e políticas de sua época. Comumente conhecido como “navalha de Occam” o princípio científico / metodológico da parcimônia que contribuiu para a escolha teórica no método científico, ele também produziu obras significativas sobre lógica, física e teologia.
  • Jean Buridan (c.1300-c.1358):  padre católico e um dos filósofos mais influentes do final da Idade Média. Desenvolveu a teoria do impulso, o que foi um passo importante para o conceito moderno de inércia.
  • Nicéforo Gregoras (c.1295-1360): astrônomo bizantino, historiador e teólogo.. Na ciência,  propôs uma revisão do calendário, escreveu sobre o astrolábio, e fazia parte de um avivamento em astronomia bizantina.
  • Nicole Oresme (1323-1382): teólogo e bispo de Lisieux, foi um dos primeiros fundadores e divulgadores de ciências modernas. Uma de suas muitas contribuições científicas é a descoberta da curvatura da luz através de refração atmosférica.

1401-1600 dC (séculos XV e XVI)

Por volta de 1350, a Peste Negra e outros desastres selavam um fim súbito para o período anterior de desenvolvimento filosófico e científico. Mesmo durante a parte inicial do Renascimento, a quantidade de atividade científicas permaneceram deprimidas.

Nicolau Copérnico (1473 — 1543) Um dos principais mentores do heliocentrismo.
Nicolau Copérnico (1473 — 1543) Um dos principais mentores do heliocentrismo.

Nesta unidade chegamos ao fim de uma era antiga e início de uma nova época, denominada  moderna. Os séculos XV e XVI  foram decisivos na transformação da ciência antiga para a ciência moderna. Essa mudança não foi rápida, mas sim lenta e progressiva. Esses dois séculos foram preparatórios para o que hoje entendemos por ciência.

Várias foram as mudanças, tanto no campo filosófico, como no campo político e social. No campo filosófico, o interesse pela teologia perdeu paulatinamente terreno para os estudos de filosofia natural a partir do século XV. Além de buscar a constituição de métodos próprios de investigação, o renascimento filosófico, introduziu na Europa um novo olhar para o mundo. Este é  um tempo de enormes mudanças, no qual antigas e novas concepções dialogavam em busca da construção da Modernidade.

Foi um período de grande agitação: a queda de Constantinopla; a descoberta das Américas; a Reforma Protestante e a Contra-Reforma Católica pressagiou grandes mudanças sociais e políticas. Com efeito, a publicação do modelo heliocêntrico de Copérnico do cosmos (1543) é visto por muitos como o marco do início de uma revolução científica.

  • Nicolau de Cusa (1401-1464): cardeal católico e teólogo que fez contribuições para o campo da matemática, desenvolvendo os conceitos do infinitesimal e do movimento relativo. Suas especulações filosóficas também antecipou a heliocêntrica visão de mundo de Copérnico.
  • Otto Brunfels (1488-1534): teólogo e botânico de Mainz, Alemanha. Sua Catalogi virorum Illustrium (Catálogo de Nomes) é considerado o primeiro livro sobre a história das seitas evangélicas que haviam rompido com a Igreja Católica. Carl von Linné o apontou como o “Pai da Botânica”.
  • Georgius Agricola (1494 – 1555): Famoso geólogo, alquimista e metalurgista alemão nascido em Glauchau, na Saxônia, autoridade em minerais e nas doenças provocadas nos mineradores. Interessado por Humanidades entrou para universidade de Leipzig, formando-se ao 21 anos, onde passou a ensinar grego. Mudou-se para Zwickau (1519) e retornou a Leipzig (1523), para estudar medicina. Viajando por vários países da Europa, também se interessou por política e economia. Regressou à Alemanha (1527), fixou-se em Joachimstahl, onde exerceu Medicina. Nesta cidade dedicou-se ao estudo dos minerais e as doenças provocadas nos mineradores, tendo publicado uma obra, Bermannus (1530), sob a forma de diálogo em latim, na qual expõe idéias de grande importância para a ciência mineira. Abandonou Joachimstahle e até à sua morte passou a viver em Chemnitz, onde morreu. Sua principal obra, considerada o primeiro tratado de mineralogia, foi De re metallica (1555), publicada quatro meses após sua morte, em Basiléia. Baseada quase que exclusivamente em suas próprias observações sobre minas e mineralogia, foi o ponto de partida para o desenvolvimento da área da drogas médicas e os fundamentos da moderna geologia e do estudo dos fósseis, com um total de 292 xilogravuras. Por este livro é conhecido como o pai da mineralogia. Além das citadas, publicou, no campo das ciências geológicas, diversos trabalhos onde versou matérias de estratigrafia, geologia dinâmica, mineralogia, mineração e metalurgia.
  • Nicolau Copérnico (1473-1543): astrônomo e matemático polaco que desenvolveu a teoria heliocêntrica do Sistema Solar. Foi também cónego da Igreja Católica, governador e administrador, jurista, astrólogo e médico. Sua teoria do Heliocentrismo, que colocou o Sol como o centro do Sistema Solar, contrariando a então vigente Teoria Geocêntrica (que considerava a Terra como o centro), é considerada como uma das mais importantes hipóteses científicas de todos os tempos, tendo constituído o ponto de partida da astronomia moderna.
  • Miguel Servet (1511-1553): teólogo espanhol, médico, cartógrafo, e humanista do Renascimento. Ele foi o primeiro europeu a descrever corretamente a função da circulação pulmonar, como discutido na Christianismi Restitutio (1533). Era um polímata versado em muitas ciências: matemática, astronomia e meteorologia, geografia, anatomia humana, da medicina e da farmacologia, bem como a jurisprudência, de tradução, poesia e o estudo acadêmico da Bíblia em suas línguas originais. Ele é conhecido na história de vários destes campos, particularmente na medicina e teologia. Participou da Reforma Protestante, e mais tarde desenvolveu uma cristologia não trinitária. Condenado por católicos e protestantes da mesma forma, foi preso em Genebra e queimado na fogueira como herege por ordem do Conselho do BCE protestante da cidade.
  • Michael Stifel (c.1486-1567):  matemático alemão e monge agostiniano  que descobriu o logaritmo e inventou uma breve tabela logarítimica décadas antes de John Napier. Sua aritmética integra inovações importantes na notação matemática e uma tabela de números inteiros e potências de 2 que alguns consideram uma versão inicial da tabela logarítmica. Também escreveu sobre profecias bíblicas.
  • William Turner (c.1508-1568): reformador, médico e historiador natural. Estudou medicina na Itália, e foi amigo do grande naturalista suíço, Conrad Gessner. Ele é às vezes chamado de “pai da botânica “. Religiosamente,  foi preso por pregar a favor da Reforma. Mais tarde, se tornou um decano da Catedral de Wells, mas foi expulso por não-conformidade.
  • Ignazio Danti (1536-1586): padre italiano, astrônomo, matemático  e cosmógrafo. Como bispo de Alatri, Danti convocou uma diocesano sínodo, corrigindo muitos abusos, e mostrou grande solicitude pelos pobres.

1601-1700 dC (século XVII)

Na foto, quatro dos cientistas mais notáveis da humanidade: Sir. Isaac Newton, Robert Boyle, Francis Bacon e Johannes Kepler.
Na foto, quatro dos cientistas mais notáveis que o mundo já conheceu: Sir. Isaac Newton, Robert Boyle, Francis Bacon e Johannes Kepler. Todos eram fervorosos cristãos.

Se a revolução científica começou no século XVI, foi agora em pleno funcionamento no século XVII.

Novas idéias em física, astronomia, biologia, anatomia humana, química e outras ciências estavam posando um desafio para muitas concepções sobre a natureza que tem prevalecido começando na Grécia Antiga e continuando até a Idade Média. Isto eventualmente levou à rejeição dos velhos pontos de vista e estabeleceu um novo quadro para o estudo da natureza. O período culminou com a publicação do Philosophiae Naturalis Principia Mathematica (Princípios Matemáticos da Filosofia Natural) em 1687 por Isaac Newton, representante do crescimento sem precedentes das publicações científicas em toda a Europa. Newton é apresentado na próxima seção da lista.

  • Tycho Brahe (1546-1601): nobre dinamarquês conhecido por suas observações astronômicas e planetárias precisas e abrangentes. Tycho era bem conhecido em sua vida como um astrônomo, astrólogo e alquimista, e tem sido descrito mais recentemente como “A primeira mente competente em astronomia moderna para sentir ardentemente a paixão por fatos empíricos exatos.” Seu trabalho é considerado por ter sido essencial para as descobertas de Johannes Kepler.
  • Bartholomaeus Pitiscus (1561-1613) astrônomo e teólogo que primeiro cunhou a palavra Trigonometria em Inglês e Francês. Ele também foi um teólogo calvinista que atuou como pregador no tribunal  da cidade então chamada Breslau.
  • John Napier (1550-1617): matemático escocês conhecido por inventar logaritmos, os ossos de Napier, e ser o divulgador do uso de decimais. Ele também era um protestante convicto que escreveu sobre o livro do Apocalipse.
  • Francis Bacon (1561-1626): também referido como Bacon de Verulâmio, foi um político, filósofo e ensaísta inglês. Como filósofo, destacou-se com uma obra onde a ciência era exaltada como benéfica para o homem. Em suas investigações, ocupou-se especialmente da metodologia científica e do empirismo, sendo muitas vezes chamado de “fundador da ciência moderna”. Sua principal obra filosófica é o Novum Organum.
  • Johannes Kepler (1571-1630): foi um astrônomo e matemático alemão. Considerado figura-chave da revolução científica do século XVII. O seu modelo do cosmos com base em sólidos platônicos foi explicitamente dirigidos por idéias religiosas; sua contribuição científica mais tarde e mais famosa, (as leis da Kepler) do movimento planetário, baseou-se em dados empíricos que ele obteve de observações astronômicas meticulosas de Tycho Brahe, depois que este morreu em 1601. Ele queria ser teólogo e em seu livro Harmonice Mundi (Harmonia do mundo) discute pontos acerca da divindade de Cristo.
  • Galileu Galilei (1564-1642): físico italiano, matemático, engenheiro, astrônomo e filósofo que desempenhou um papel importante na revolução científica durante o Renascimento. Desenvolveu os primeiros estudos sistemáticos do movimento uniformemente acelerado e do movimento do pêndulo. Descobriu a lei dos corpos e enunciou o princípio da inércia e o conceito de referencial inercial, ideias precursoras da mecânica newtoniana. Galileu melhorou significativamente o telescópio refrator e com ele descobriu as manchas solares, as montanhas da Lua, as fases de Vénus, quatro dos satélites de Júpiter, os anéis de Saturno, as estrelas da Via Láctea. Estas descobertas contribuíram decisivamente na defesa do heliocentrismo. Contudo a principal contribuição de Galileu foi para o método científico, pois a ciência assentava numa metodologia aristotélica. É muitas vezes creditado como o “pai da astronomia” e, o “pai da ciência moderna”.
  • Laurentius Gothus (1565-1646): teólogo sueco, astrônomo e arcebispo de Uppsala  Laurentius. Escreveu muitas obras teológicas e astronômicas e também calendários. Além disso,  publicou uma aprofundada Ethica Christiana 1615-1630, uma obra em seis partes em sueco sobre o luteranismo. Após isso,  escreveu em 1631 um resumo do trabalho que tem sido chamado o trabalho catequético mais privilegiado do século XVII na Suécia.
  • Marin Mersenne (1588-1648): foi um matemático, teórico musical, padre, teólogo e filósofo francês. Ficou conhecido sobretudo pelo seu estudo dos chamados primos de Mersenne. O asteróide 8191 Mersenne foi batizado em sua honra.
  • René Descartes (1596-1650): filósofo, físico e matemático francês. Notabilizou-se sobretudo por seu trabalho revolucionário na filosofia e na ciência, mas também obteve reconhecimento matemático por sugerir a fusão da álgebra com a geometria – fato que gerou a geometria analítica e o sistema de coordenadas que hoje leva o seu nome. Descartes, por vezes é chamado de “o fundador da filosofia moderna” e o “pai da matemática moderna”, é considerado um dos pensadores mais importantes e influentes da História do Pensamento Ocidental. Inspirou contemporâneos e várias gerações de filósofos posteriores; boa parte da filosofia escrita a partir de então foi uma reação às suas obras ou a autores supostamente influenciados por ele. Muitos especialistas afirmam que, a partir de Descartes, inaugurou-se o racionalismo da Idade Moderna. Por fim, foi também uma das figuras-chave na Revolução Científica.
  • Pierre Gassendi (1592-1655): padre católico que tentou conciliar Atomismo com o Cristianismo. Ele também publicou o primeiro trabalho sobre o trânsito de Mercúrio e corrigiu as coordenadas geográficas do Mar Mediterrâneo.
  • Anton Maria de Rhein (1597-1660): astrônomo e oftalmologista criador do telescópio de Kepler. Dedicou também um de seus livros de astronomia para Jesus Cristo, “theo-Astronomy”.
  • Blaise Pascal (1623-1662): matemático francês, físico, inventor, escritor e filósofo. Os primeiros trabalhos de Pascal era nas ciências naturais e aplicadas onde fez importantes contribuições para o estudo de fluidos, e esclareceu os conceitos de pressão e vácuo, generalizando o trabalho de Evangelista Torricelli. Pascal também escreveu em defesa do método científico.
  • Francesco Maria Grimaldi (1618-1663): padre jesuíta italiano que foi o primeiro a fazer observações precisas sobre a difração da luz.
  • Isaac Barrow (1630-1677): teólogo Inglês e matemático que geralmente é dado o crédito por seu papel no início do desenvolvimento do cálculo infinitesimal; em particular, para a descoberta do teorema fundamental do cálculo. O seu trabalho centrado sobre as propriedades da tangente; Foi o primeiro a calcular as tangentes da Curva Kappa. Isaac Newton foi um estudante de Barrow, e Newton passou a desenvolver o cálculo de uma forma moderna.
  • Athanasius Kircher (1602-1680): jesuíta alemão e polímata que publicou cerca de 40 grandes obras, principalmente nas áreas de Orientalismo, geologia e medicina.
  • Juan Lobkowicz (1606-1682): monge cisterciense que fez trabalho sobre Combinatória e publicou tabelas de astronomia aos 10 anos Ele também fez obras de teologia e sermões.
  • Nicolas Steno (1638-1686): cientista dinamarquês, um pioneiro tanto em anatomia e geologia que se tornou bispo católico em seus últimos anos. Steno foi treinado nos textos clássicos sobre a ciência; Questionou explicações para a produção da lágrima, a idéia de que os fósseis cresceram no chão e explicações sobre a formação das rochas. Suas investigações e suas conclusões subsequentes sobre fósseis e formação rochosas levaram estudiosos a considerá-lo como um dos fundadores da estratigrafia moderna e geologia moderna.
  • Seth Ward (1617-1689): bispo anglicano, astrônomo e matemático Inglês.
  • Thomas Sydenham (1624-1689), médico Inglês, que é considerado “o pai da medicina”. Foi o autor de Observationes Medicae que se tornou um livro padrão de medicina durante dois séculos, de modo que ele se tornou conhecido como “O Inglês de Hipócrates.
  • Robert Boyle (1627-1691): proeminente cientista e teólogo que argumentou que o estudo da ciência poderia melhorar a glorificação de Deus. Um forte apologista cristão, ele é considerado uma das figuras mais importantes na história da Química.

1701-1800 dC (século XIII)

Leonhard Euler (1707 – 1783) Um dos maiores e mais prestigiados matemáticos XVII e de toda a história.
Leonhard Euler (1707 – 1783) Um dos maiores e mais prestigiados matemáticos do século XVII e de toda a história.

O século XIII é considerado o auge do Iluminismo. Não foi um único movimento ou escola de pensamento, foi mais um conjunto de idéias do que  um conjunto de valores. O seu núcleo era um questionamento crítico das instituições tradicionais, costumes e morais, e uma forte crença na racionalidade e na ciência. O final do século viu a Revolução Francesa, que levou às primeiras grandes tentativas de cristianização da Europa a ocorrer em muitos séculos. Isso culminou com o Culto do Ser Supremo. O período viu, assim, o cristianismo em transição e os conflitos eventualmente.

  • John Wallis (1616-1703): matemático Inglês, que é dado o crédito parcial para o desenvolvimento do cálculo infinitesimal. Entre 1643 e 1689 atuou como chefe criptógrafo para o Parlamento e, mais tarde, a corte real. Ele também é creditado com a introdução do símbolo ∞ { infty} para o infinito.
  • John Ray (1627-1705): botânico Inglês que escreveu a sabedoria de Deus se manifesta nas obras da Criação (1691) . Ele publicou importantes trabalhos sobre botânica, zoologia, e da teologia natural. Sua classificação das plantas em sua Historia Plantarum, foi um passo importante para a taxonomia moderna.
  • Gottfried Leibniz (1646-1716): filósofo, cientista, matemático, diplomata e bibliotecário alemão. O uso de “função” como um termo matemático foi iniciado por Leibniz, em uma carta de 1694, para designar uma quantidade relacionada a uma curva, tal como a sua inclinação em um ponto específico. É creditado a Leibniz e a Newton o desenvolvimento do cálculo moderno, em particular o desenvolvimento da integral e da regra do produto. Descreveu o primeiro sistema de numeração binário moderno (1705), tal como o sistema numérico binário utilizado nos dias de hoje. Demonstrou genialidade também nos campos da lei, religião, política, história, literatura, lógica, metafísica e filosofia.
  • Isaac Newton (1643-1727): cientista inglês, mais reconhecido como físico e matemático, embora tenha sido também astrônomo, alquimista, filósofo natural e teólogo. Sua obra, Philosophiae Naturalis Principia Mathematica, é considerada uma das mais influentes na história da ciência. Publicada em 1687, esta obra descreve a lei da gravitação universal e as três leis de Newton, que fundamentaram a mecânica clássica. Foi o primeiro a demonstrar que os movimentos de objetos, tanto na Terra como em outros corpos celestes, são governados pelo mesmo conjunto de leis naturais. O poder unificador e profético de suas leis era centrado na revolução científica, no avanço do heliocentrismo e na difundida noção de que a investigação racional pode revelar o funcionamento mais intrínseco da natureza. Newton também dedicou muito de seu tempo ao estudo da alquimia e o estudo da Bíblia. Ele escreveu observações sobre as Profecias de Daniel e do Apocalipse de São João. Em uma pesquisa promovida pela Royal Society, Newton foi considerado o cientista que causou maior impacto na história da ciência.
  • Colin Maclaurin (1698-1746):  matemático escocês que fez importantes contribuições à geometria e álgebra. Também foi um estudante de teologia, ele tinha um instituto cristão com o seu próprio nome.
  • Stephen Hales (1677-1761): cientista vencedor da Medalha Copley significativa para o estudo da fisiologia da planta. Como um inventor, projetou um tipo de sistema de ventilação, um meio para destilar água do mar, maneiras de conservar a carne, etc. Na religião, era um vigário anglicano que trabalhou com a sociedade para a promoção do conhecimento cristão e para um grupo de trabalho para converter escravos negros nas Índias Ocidentais.
  • Thomas Bayes (1701-1761): foi um estatístico Inglês, filósofo e pastor presbiteriano, conhecido por ter formulado um caso específico do teorema que leva seu nome: o teorema de Bayes.
  • Firmin Abauzit (1679-1767): foi um estudioso francês que trabalhou em física, teologia e filosofia, e serviu como bibliotecário, em Genebra (Suíça) durante seus últimos 40 anos. Abauzit também é notável pela revisão e correção dos escritos de Isaac Newton e outros estudiosos.
  • Emanuel Swedenborg (1688-1772):  cientista sueco, filósofo, teólogo, revelador, e místico. Ele é mais conhecido por seu livro sobre a vida após a morte, Heaven and Hell (1758). Swedenborg teve uma carreira prolífica como um inventor e cientista. Em 1741, aos 53 anos, entrou em uma fase espiritual em que começou a ter sonhos e visões, começando no fim de semana de Páscoa de 6 de Abril de 1744. Isso culminou em um “despertar espiritual”, em que ele recebeu a revelação de que foi nomeado pelo Senhor para escrever a Doutrina Celestial para reformar o cristianismo.
  • Albrecht von Haller (1708-1777): anatomista suíço, fisiologista conhecido como “o pai da fisiologia moderna”. Estava envolvido na construção da Igreja Reformada em Göttingen, e, como um homem interessado em questões religiosas,  escreveu cartas de desculpas que foram compilados pela sua filha sob o seu nome.
  • Carolus Linnaeus (1707-1778): conhecido como o “pai da taxonomia moderna” e também fez contribuições para a ecologia. A teologia natural e da Bíblia foram importantes para seus livros Systema Naturae e Systema Vegetabilium.
  • Leonhard Euler (1707-1783): grande matemático e físico suíço de língua alemã que passou a maior parte de sua vida na Rússia e na Alemanha. Fez importantes descobertas em campos variados em cálculo e grafos. Também fez muitas contribuições para a matemática moderna no campo da terminologia e notação, em especial para a análise matemática, como a noção de uma função matemática. Além disso tornou-se célebre por seus trabalhos em mecânica, óptica, e astronomia. Euler é considerado um dos mais proeminentes matemáticos do século XVIII. Uma declaração atribuída a Pierre-Simon Laplace manifestada sobre Euler na sua influência sobre a matemática: “Leiam Euler, leiam Euler, ele é o mestre de todos nós.  Euler foi um dos mais prolíficos matemáticos, calcula-se que toda a sua obra reunida teria entre 60 e 80 volumes.
  • Antoine Lavoisier (1743-1794): considerado o “pai da química moderna”. É conhecido por sua descoberta do papel do oxigênio na combustão, o desenvolvimento de nomenclatura química, o desenvolvimento de uma tabela periódica preliminar de elementos, e da lei da conservação de massa.
  • Herman Boerhaave (1668-1789), notável médico holandês e botânico conhecido como o fundador do ensino clínico. Uma coleção de seus pensamentos religiosos sobre medicina, traduzido do latim para o Inglês, foi compilado com o nome Boerhaaveìs Orations.
  • John Michell (1724-1793): clérigo Inglês, que proporcionou uma visão pioneira em uma ampla gama de campos científicos, incluindo astronomia, geologia, óptica e gravitação.
  • Maria Gaetana Agnesi (1718-1799): Matemática nomeada para um cargo pelo Papa Bento XIV. Depois que seu pai morreu, ela dedicou sua vida aos estudos religiosos, caridade, e, finalmente, tornou-se uma freira.

1801-1900 dC (século XIX)

Louis Pasteur (1822 — 1895) Considerado o pai da microbiologia.
Louis Pasteur (1822 — 1895) Considerado o pai da microbiologia.

Este período levou os cristãos da ciência para enfrentar mudanças e maiores desafios. Foi no século XIX que trouxe a profissionalização do empreendimento científico. Até então, os pensadores religiosos, que se expressava sobre temas científicos foram cada vez mais tratados como “invasores”. Este foi também o primeiro século que viu discussões reais da “relação entre ciência e religião”. Em épocas anteriores, havia uma preocupação ocasional sobre a tensão entre fé e razão, mas a religião e a ciência não foram apresentadas como duas forças opostas. No final do século, era comum a visão de que a ciência e a religião “tinha sido em um estado de constante conflito”. Esta noção é ainda muito popular, embora NÃO seja aprovada pela atual pesquisa sobre a história da ciência.

  • Joseph Priestley (1733-1804): teólogo, clérigo dissidente, filósofo natural, educador, teórico e político britânico que publicou mais de 150 obras. A ele normalmente é creditada a descoberta do oxigênio. A considerável reputação científica de Priestley baseou-se em seu invento da “água carbonatada”, seus escritos sobre a electricidade, e sua descoberta de vários “ares” (gases), sendo a mais famosa dentre suas descobertas o “ar deflogisticado” (oxigênio). A ciência de Priestley foi sempre associada a sua teologia, e ele tentou consistentemente unir racionalismo iluminista com o teísmo cristão. Em seus textos de metafísica, tentou combinar teísmo, materialismo, e determinismo, um projeto que tem sido chamado de “audacioso e original”. Ele acreditava que uma compreensão adequada do mundo natural deveria promover o progresso humano e, talvez, ter como consequência o evento dos Cristãos do Milênio. Priestley, que acreditava firmemente no livre e aberto intercâmbio de idéias, defendia a tolerância religiosa e igualdade de direitos para os religiosos dissidentes, o que também o levou a participar do unitarismo na Inglaterra. A natureza controversa de suas publicações, combinada com o seu apoio direto à Revolução Francesa, suscitou suspeitas governamentais; ele acabou por ser obrigado a fugir para os Estados Unidos após os distúrbios de Birmingham, em 1791.
  • Isaac Milner (1750-1820): professor Lucasiano de Matemática conhecido por seu trabalho em um processo importante para fabricar ácido nitroso. Ele também foi um anglicano evangélico que co-escreveu História Eclesiástica da Igreja de Cristo com seu irmão e desempenhou um papel no despertar religioso de William Wilberforce
  • William Herschel (1738-1822):  astrônomo alemão nascido na inglaterra e compositor. Tornou-se famoso por sua descoberta do planeta Urano, junto com duas de seus principais luas, Titania (lua) e Oberon (Lua), e também descobriu as duas luas de Saturno.
  • Joseph von Fraunhofer (1787-1826) óptico alemão conhecido pela descoberta das linhas escuras de absorção conhecidas como Espectro de Fraunhofer no espectro solar, e por fazer excelentes vidros ópticos e lentes objetivas acromáticas para telescópios.
  • Samuel Vince (1749-1821): foi um clérigo Inglês, matemático e astrônomo da Universidade de Cambridge.
  • Alessandro Volta (1745-1827): físico italiano, conhecido especialmente pela invenção da pilha elétrica e por aprimorar o eletróforo, uma máquina que produz electricidade estática. Volta determinou que os melhores pares de metais dissimilares para a produção de electricidade eram o zinco e a prata.
  • Andre Marie Ampere (1775-1836): um dos fundadores do electromagnetismo clássico. A unidade de corrente elétrica, Ampere, é nomeada por ele.
  • Olinthus Gregory (1774-1841): matemático Inglês, autor e editor. Publicou um tratado, Lições Astronômicas e filosóficas. Tendo estabelecido em Cambridge em 1796, Gregory primeiro atuou como sub-editor no Intelligencer Cambridge, e, em seguida, abriu uma loja de livreiros. Em 1802 obteve uma nomeação como professor de matemática na Academia Real Militar.
  • John Dalton (1766-1844): químico, meteorologista e físico inglês. Foi um dos primeiros cientistas a defender que a matéria é feita de pequenas partículas, os átomos. É também um dos pioneiros na meteorologia, iniciando suas observações em 1787 com instrumentos confeccionados por ele mesmo e publicando, seis anos mais tarde, o livro Meteorological Observations and Essays (Observações e Ensaios Meteorológicos), um dos primeiros concernentes à ciência meteorológica. Suas observações experimentais permitiram-lhe elaborar teorias sobre o vapor d’água e misturas de gases, apresentando em 1801 sua lei das pressões parciais: em uma mistura de gases, cada componente exerce a mesma pressão como se estivesse solitária no recipiente que a contém. Dalton concluiu que toda matéria, não apenas gases, deve se consistir de diminutas partículas. Reviveu, assim, a antiga teoria atomista e elaborou a primeira tabela de pesos atômicos, anunciando seus resultados em 1803. Ao fim de sua vida, sua teoria atômica estava amplamente difundida entre a comunidade química e reconhecida pelo rei da Inglaterra com a Medalha Real.
  • John Abercrombie (1780-1844): médico e filósofo britânico precursor da Psicofisiologia. Cita-se alguns trabalhos como: Pesquisas concernentes aos poderes intelectuais e a investigação da verdade (Edimburgo, 1830); Filosofia dos sentimentos morais (Edimburgo, 1839); Pesquisas patológicas e práticas acerca das doenças do cérebro e da espinal medula (Edimburgo, 1828).
  • Mary Anning (1799-1847): paleontóloga que se tornou conhecida por descobertas de certos fósseis em Lyme Regis, Dorset. O seu trabalho contribuiu para mudanças fundamentais no pensamento científico sobre a vida pré-histórica e da história da Terra.
  • Bernard Bolzano (1781-1848): matemático e padre católico romano, creditado como sendo o primeiro a propor o que ficou conhecido como o teorema de Bolzano-Weierstrass. Ele também foi o primeiro a fornecer uma prova puramente analítica do teorema do valor intermediário.
  • William Kirby (1759-1850): foi um entomologista Inglês, um membro original da Linnean Society e um Fellow da Royal Society, assim como um padre do país. Ele é considerado o “fundador da entomologia”.
  • William Buckland (1784-1856): teólogo Inglês que se tornou decano de Westminster. Também era um geólogo e paleontólogo, escrevendo o primeiro relato completo de um fóssil de dinossauro, que ele chamou de megalossauro. Foi elogiado como um exemplo de como a análise científica poderia reconstruir eventos do passado distante. Foi um pioneiro no uso de fezes fossilizadas, para o qual ele cunhou o termo coprólitos, para reconstruir os ecossistemas antigos.
  • Augustin-Louis Cauchy (1789-1857): matemático que defendeu a Companhia de Jesus, tentou converter outros matemáticos ao catolicismo, e foi membro da Sociedade de São Vicente de Paulo.
  • Marshall Hall (1790-1857): fisiologista Inglês notável que contribuiu com a compreensão anatômica e propôs uma série de técnicas na ciência médica. Um cristão devoto, seus pensamentos religiosos foram reunidos no livro Memórias biográficos de Marshall Hall, por sua viúva (1861). Ele também era um abolicionista que se opôs a escravidão por motivos religiosos. Ele acreditava que a escravidão como um pecado contra Deus e negação da fé cristã.
  • Lars Levi Laestadius (1800-1861): foi um pastor luterano, escritor e botânico sueco. Além dos seus deveres pastorais continuou a interessar-se pela botânica, sendo autor de um grande número de artigos sobre as plantas da sua região. Serviu também como botânico numa expedição francesa de pesquisa à Lapônia, entre 1838 e 1840. No âmbito desta mesma expedição, escreveu um longo tratado sobre a mitologia sami. Este tratado não foi publicado com as outras atas, e durante muitos anos foi considerado como perdido. A última parte do seu manuscrito foi redescoberta somente em 2001.
  • George Boole (1815-1864): matemático e filósofo britânico, criador da álgebra booleana, fundamental para o desenvolvimento da computação moderna.
  • Edward Hitchcock (1793-1864): geólogo, paleontólogo e pastor congregacionalista. Trabalhou em Teologia Natural e escreveu em trilhas fossilizadas.
  • Benjamin Silliman (1779 -1864): químico e professor em Yale; a primeira pessoa a destilar petróleo, e um dos fundadores do American Journal of Science, o mais antigo periódico jornal científico dos Estados Unidos. Um cristão sincero, que era criacionista e rejeitou abertamente o materialismo.
  • William Whewell (1794-1866): foi um polímata Inglês, cientista, padre anglicano, filósofo, teólogo e historiador da ciência. Ele foi o Mestre de Trinity College, Cambridge. Em seu tempo como um estudante lá,conseguiu a distinção tanto em poesia como matemática.
  • Michael Faraday (1791-1867): ancião da igreja Glasite por um tempo, discutiu a relação da ciência com a religião em uma palestra adversária Espiritismo. Ele é conhecido por suas contribuições para o estabelecimento da teoria eletromagnética e seu trabalho em química, tais como o estabelecimento de eletrólise.
  • James David Forbes (1809 – 1868) físico e glaciologista que trabalhou extensivamente sobre a condução de calor e sismologia. Era um cristão devoto como pode ser visto na  sua obra “Vida e Cartas de James David Forbes”
  • Charles Babbage (1791-1871), filósofo e matemático analítico conhecido como o primeiro cientista da computação que originou a idéia de um computador programável. Escreveu a o Tratado Bridgewater, e as passagens da vida de um filósofo (1864), onde  levantou argumentos para defender racionalmente a crença em milagres.
  • Adam Sedgwick (1785-1873): foi um dos fundadores da geologia moderna. Propôs o período Devoniano da escala de tempo geológico. Mais tarde, propôs o período Cambriano, com base no trabalho que ele fez em estratos rochosos Welsh. Apesar de ter sido professor e guiado o jovem Charles Darwin em seu estudo inicial de geologia, continuou como amigos mas era um adversário da teoria da evolução de Darwin, por meio de seleção natural.
  • Temple Chevallier (1794-1873): clérigo britânico, astrônomo e matemático. Entre 1847 e 1849, fez observações importantes sobre as manchas solares. Chevalier tem sido chamado de “um notável polímata vitoriano”. Não só ele escreveu muitos artigos sobre astronomia e física como também publicou uma tradução dos Padres Apostólicos que entraram em uma segunda edição, e traduziu as obras de Clemente de Alexandria, Policarpo e Inácio de Antioquia.
  • John Bachman (1790-1874): escreveu inúmeros artigos científicos e nomeou várias espécies de animais. Ele também foi um dos fundadores do Seminário Teológico Southern Luterana e escreveu obras sobre o luteranismo.
  • Robert Main (1808-1878): sacerdote anglicano que ganhou a Medalha da Sociedade Astronômica Real de Ouro em 1858. Main também pregou na Associação Britânica de Bristol.
  • James Clerk Maxwell (1831-1879): foi um cientista escocês no campo da física e matemática. Sua realização mais notável foi  formular a teoria clássica da radiação eletromagnética, reunindo pela primeira vez eletricidade, magnetismo e luz como manifestações da mesmo fenômeno. As equações de Maxwell para o eletromagnetismo tem sido chamada de “segunda grande unificação da física” após a primeira realizada por Isaac Newton.
  • James Bovell (1817-1880): proeminente médico canadense, microscopista, educador, teólogo e ministro. Estudou em escolas em Edimburgo e Glasgow e mais tarde foi eleito membro do Royal College of Physicians.
  • Andrew Pritchard (1804-1882): foi um naturalista Inglês e comerciante de história natural que fez melhorias significativas para microscopia e estudou organismos microscópicos. Sua crença de que Deus e a natureza eram um só levou a Unitários, um movimento religioso para que ele e sua família dedicou muita energia. Ele se tornou um dos principais membros Newington Green, Igreja Unitária no norte de Londres, e trabalhou para construir uma escola lá.
  • Arnold Henry Guyot (1807-1884): geólogo suíço-americano que fez um trabalho notável em geleiras, Guyot Glacier que são nomeadas em sua honra. Forte opositor a teoria da evolução de Darwin. Isso pode ser observado em sua obra  “Criação, a cosmologia bíblica, à luz da ciência moderna” (1884).
  • Gregor Mendel (1822-1884): monge agostiniano, botânico e meteorologista austríaco. Durante a sua vida, Mendel publicou dois grandes trabalhos agora clássicos: “Ensaios com plantas híbridas” (Versuche über Pflanzen-hybriden), que não abrangia mais de trinta páginas impressas e “Hierácias obtidas pela fecundação artificial”.  É conhecido como “Pai da Genética”.
  • Philip Henry Gosse (1810-1888): foi um naturalista Inglês e divulgador da ciência natural, praticamente o inventor do aquário de água do mar, e um inovador meticuloso no estudo da biologia marinha. Ele é mais famoso como um fundamentalista cristão que cunhou a idéia de Omphalos na teologia.
  • Asa Gray (1810-1888): considerado o botânico norte-americano mais importante do século XIX, discípulo de John Torrey e colaborador de Charles Darwin. Foi autor de muitos livros que difundiram a botânica. Escreveu Flora da América do Norte (2 volumes,1838-43) com John Torrey e foi um líder entusiástico na descoberta e classificação de novas espécies. Não vislumbrando nenhum conflito entre a evolução e sua visão do projeto divino da natureza, apoiou as teorias de Darwin num momento em que elas eram condenadas por muitos.
  • Francesco di Faà de Bruno (1825-1888): padre italiano e defensor dos pobres, e um matemático da vanguarda de sua época. Também foi um músico religioso. Em 1988, foi beatificado pelo Papa João Paulo.
  • Georg Friedrich Bernhard Riemann (1826-1866): matemático alemão influente que fez contribuições duradouras para análise, teoria dos números geometria diferencial e, alguns deles permitindo o posterior desenvolvimento da relatividade geral.
  • Julian Tenison Woods (1832–1889): sacerdote católico Inglês e geólogo, ativo na Austrália. Com Mary MacKillop (mais tarde Saint Mary MacKillop), ele co-fundou a Congregação das Irmãs de São José do Sagrado Coração em Penola em 1866.
  • James Prescott Joule (1818-1889): físico britânico que estudou a natureza do calor, e descobriu relações com o trabalho mecânico. Isso direcionou para a teoria da conservação da energia (a Primeira Lei da Termodinâmica). Joule trabalhou com Lorde Kelvin, para desenvolver a escala absoluta de temperatura, também encontrou relações entre o fluxo de corrente através de uma resistência elétrica e o calor dissipado, agora chamada Lei de Joule. No seu experimento mais bem conhecido (que envolvia a queda de um corpo que fazia girar uma haste com pás dentro de um recipiente com água, cuja temperatura ele mediu), era necessária a precisão de 1/200 graus Fahrenheit, o que seus contemporâneos não achavam possível. Os trabalhos de Joule complementam o trabalho teórico de Rudolf Clausius, que é considerado por alguns como co-inventor do conceito de energia.
  • Heinrich Hertz (1857-1894): físico alemão conhecido por radiação eletromagnética e efeito fotoelétrico. A unidade científica da frequência, hertz, é nomeado em sua honra. Ele foi um luterano por toda a sua vida.
  • James Dwight Dana (1813-1895): geólogo, mineralogista, vulcanólogo e biólogo. Fez estudos pioneiros da montanha-construção, a atividade vulcânica, e a origem e estrutura de continentes e oceanos ao redor do mundo. Ele também escreveu um livro intitulado A Ciência e a Bíblia.
  • Louis Pasteur (1822–1895): foi um químico e microbiologista francês famoso por suas descobertas dos princípios da vacinação, a fermentação microbiana e pasteurização. Ele é lembrado por seus notáveis avanços nas causas e prevenções de doenças, e suas descobertas têm salvado inúmeras vidas desde então. Ele reduziu a mortalidade por febre puerperal, e criou as primeiras vacinas contra a raiva e carbúnculo. Suas descobertas médicas, desde o apoio directo para a teoria do germe da doença e sua aplicação na medicina clínica. Ele é mais conhecido para o público em geral para a sua invenção da técnica de tratamento de leite e vinho para parar a contaminação bacteriana, um processo hoje chamado de pasteurização. Ele é considerado como um dos três fundadores principais da bacteriologia, juntamente com Ferdinand Cohn e Robert Koch, e é popularmente conhecido como o “pai da microbiologia”.
  • John William Dawson (1820–1899): geólogo canadense que foi o primeiro presidente da Royal Society. Foi opositor da teoria de Darwin e chegou a escrever A Origem do Mundo, de acordo com Apocalipse e Ciência (1877), onde montou seus pontos de vista teológicos e científicos.
  • George Jackson Mivart (1827-1900): biólogo britânico, professor de biologia na Universidade católica de Londres (1877). Em 1871 Mivart publica Genesis of Species, onde expõe diversas objecções à teoria evolutiva proposta por Charles Darwin. Uma delas diz respeito à ausência de provas de etapas intermédias entre duas espécies. Darwin teve em conta as objecções de Mivart, a quem respondeu nas últimas edicões de A Origem das Espécies.
  • Armand David (1826-1900): missionário católico lazarista e também zoólogo e botânico francês, que passou grande parte da sua vida na China. Deu a conhecer ao Ocidente uma multiplicidade de plantas e animais de origem chinesa, desconhecidos até então. Várias destas espécies (descritas por biólogos europeus a partir do material que ele lhes enviava) têm o seu nome em sua honra.

1901-2000 dC (século XX)

Durante o século anterior, a prática da ciência tornou-se profissionalizada e institucionalizada de maneira que continuou até o século XX.

Max Planck (1858 — 1947) um dos físicos mais importantes do século XX sendo considerado o pai da física quântica
Max Planck (1858 — 1947) um dos físicos mais importantes do século XX sendo considerado o pai da física quântica

O século XX inaugurou uma nova era de desenvolvimento científico e tecnológico, e uma nova fase política com a implantação de sistemas democráticos em muitos países do globo. Mas, apesar da introdução deste inovador sistema político, para além da adoção de programas educativos e de reformas sociais, este século viu nascer e crescer o imperialismo, regimes fascistas e a corrida ao armamento. Como o papel do conhecimento científico cresceu na sociedade, tornou-se incorporado com muitos aspectos do funcionamento das nações. Foi um período que se notabilizou pelos inúmeros avanços tecnológicos, conquistas da civilização e reviravoltas em relação ao poder.

  • George Salmon (1819-1904): matemático irlandês cujas publicações em geometria e algébrica foram lidas na segunda metade do século XIX. Também era teólogo anglicano que se dedicou principalmente à teologia nos últimos 40 anos de sua vida. Suas publicações em teologia foram amplamente lidas.
  • Henry Baker Tristram (1822-1906): foi um clérigo, especialista na bíblia, explorador e ornitólogo britânico. Como pastor-naturalista, era um receptor do início do darwinismo na tentativa de conciliar a evolução com a criação.
  • Enoch Fitch Burr(1818-1907): foi um teólogo e astrônomo que falou extensamente sobre a relação entre ciência e religião.
  • Lord Kelvin – William Thomson (1824-1907): físico-matemático e engenheiro britânico, nascido na Irlanda. Considerado um líder nas ciências físicas do século XIX,  fez importantes contribuições na análise matemática da eletricidade e termodinâmica, e fez muito para unificar as disciplinas emergentes da física em sua forma moderna. É conhecido por desenvolver a escala Kelvin de temperatura absoluta (onde o zero absoluto é definido como 0 K). O título de Barão Kelvin foi-lhe dado em homenagem a suas realizações.
  • Pierre Duhem (1861-1916): físico francês, matemático, historiador e filósofo da ciência, mais conhecido por seus escritos sobre a indeterminação de critérios experimentais e no desenvolvimento científico na Idade Média. Duhem também fez grandes contribuições para a ciência da sua época, particularmente nas áreas de hidrodinâmica, elasticidade e termodinâmica.
  • Georg Cantor (1845-1918): matemático alemão, mais conhecido como o inventor da teoria dos conjuntos, que se tornou uma teoria fundamental em matemática. Cantor estabeleceu a importância da correspondência de um-para-um entre os membros de dois grupos, definidos conjuntos infinitos e bem ordenadas, e provou que os números reais são “mais numerosos” do que os números naturais. Na verdade, o método da prova deste teorema de Cantor implica a existência de uma “infinidade de infinitos”. Ele definiu o cardeal e números ordinal em sua aritmética.
  • Lord Rayleigh (1842-1919): físico Inglês que, com William Ramsay, descobriu o argônio, uma conquista para o qual ele ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1904. Ele também descobriu o fenômeno agora chamado espalhamento Rayleigh, que pode ser usado para explicar porque o céu é azul, e previu a existência das ondas de superfície agora conhecidas como ondas de Rayleigh.
  • Henrietta Swan Leavitt (1868-1921) astrônoma americana que descobriu a relação entre a luminosidade e o período de cefeidas. Embora ela recebeu pouco reconhecimento em sua vida acadêmica, foi sua primeira descoberta que permitiram aos astrônomos medir a distância entre a Terra e as galáxias distantes.
  • Charles Doolittle Walcott (1850-1927): paleontólogo de invertebrados americano. Ele se tornou conhecido por sua descoberta em 1909 de fósseis bem preservados no Burgess Shale of British Columbia, no Canadá.
  • Johannes Reinke (1849-1931) foi um botânico e filósofo alemão, que era natural de Ziethen, Lauenburg. Lembrado por sua pesquisa de algas marinhas bentônicas introduzido à botânica.
  • Pierre Teilhard de Chardin (1881-1955) filósofo francês e padre jesuíta que trabalhou como um paleontólogo e geólogo e participou da descoberta do Homem de Pequim. Ele concebeu a idéia de o Ponto Omega (um nível máximo de complexidade e consciência que ele acreditava que o universo evoluiu) e desenvoleu o  conceito de noosfera de Vladimir Vernadsky.
  • Dmitri Egorov (1869-1931): matemático russo e soviético conhecido por contribuições significativas para as áreas da geometria diferencial e análise matemática.
  • William Williams Keen (1837-1932) foi o primeiro cirurgião cerebral nos Estados Unidos.
  • Ronald Ross (1857-1932) foi um médico indiano-britânico que recebeu o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1902 por seu trabalho sobre a malária, tornando-se o primeiro britânico laureado com o  Nobel, e o primeiro nascido fora da Europa.
  • Mihajlo Pupin (1858-1935): físico e químico sérvio-americano. Conhecido por suas inúmeras patentes, incluindo uma forma de estender muito o alcance da comunicação de telefonia de longa distância, colocando bobinas de carga (de fio) em intervalos predeterminados ao longo do fio de transmissão (conhecido como “pupinization”). Pupin foi membro fundador do Comitê Consultivo Nacional para a Aeronáutica (NACA) em 3 de março de 1915, que mais tarde se tornou NASA.
  • Hugo Obermaier ( 1877-1946): historiador pré distinto e antropólogo que ensinou em vários centros europeus de aprendizagem. Ele é particularmente associado com o seu trabalho sobre a difusão da humanidade na Europa durante a Idade do Gelo.
  • Ernest Rutherford (1871–1937): físico britânico nascido na Nova Zelândia, que ficou conhecido como o pai da física nuclear. A Enciclopedia Britanica considera que ele seja o maior experimentalista desde Michael Faraday (1791-1867).
  • Pavel Florensky (1882-1937) teólogo ortodoxo, sacerdote, filósofo, matemático, físico, engenheiro elétrico, inventor e novo mártir russo, autor da obra filosófica, The Pillar and Ground of the Truth: an Essay in Orthodox Theodicy in Twelve Letters. O livro completo só foi publicado em 1914, mas a maior parte foi concluída em 1908 na época da sua graduação na academia. De acordo com a Princeton University Press: “O livro é uma exploração dos vários significados do amor cristão, que é visto como uma combinação de philia (amizade) e agape (amor universal). Além disso, Florensky foi um dos primeiros pensadores do século XX, a desenvolver a ideia do conceito filosófico de Sofiologia, que tornou-se uma das preocupações centrais das teólogas feministas.
  • Guglielmo Marconi (1874-1937): inventor italiano e engenheiro elétrico, conhecido por seu trabalho pioneiro em transmissão de rádio de longa distância e para o seu desenvolvimento da lei de Marconi e um sistema de telégrafo de rádio. Ele é muitas vezes creditado como o inventor do rádio.
  • J. Thomson (1856-1940): foi um físico britânico que descobriu elétrons e isótopos. Ele ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1906 e foi presidente da Sociedade Real de 1915 a 1920.
  • Eberhard Dennert (1861-1942): foi um naturalista, filósofo e professor alemão, fundador e diretor da Kepler Federal. A aliança Kepler foi dedicada à luta contra a teoria da evolução de Darwin e do monismo materialista, como  foi representado por Ernst Haeckel.
  • William Henry Bragg (1862-1942): físico britânico, químico, e matemático que compartilhou com exclusividade um Prêmio Nobel com seu filho William Lawrence Bragg ( 1915) Prêmio Nobel de Física: “por seus serviços na análise da estrutura cristalina por meios de raios-X “. Bragg foi um fervoroso Anglicano e tinha uma licença para pregar em sua igreja local.
  • George Washington Carver (1864-1943): foi um cientista, botânico, educador e inventor norte-americano . Carver acreditava que poderia ter fé, tanto em Deus e na ciência. Ele testemunhou em muitas ocasiões que a sua fé em Jesus era o único mecanismo pelo qual ele poderia efetivamente perseguir e executar a arte da ciência.
  • Arthur Eddington (1882-1944): astrofísico britânico do início do século XX famoso pelo seu trabalho sobre a Teoria da Relatividade. Escreveu um artigo em 1919, Report on the relativity theory of gravitation, que anunciou a Teoria Geral da Relatividade de Einstein para o mundo anglófono.
  • Alexis Carrel (1873-1944): cirurgião e biólogo francês que foi premiado com o Prêmio Nobel de Fisiologia ou Medicina em 1912 por técnicas de sutura vasculares pioneiras
  • Charles Glover Barkla (1877-1944): físico britânico, vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1917 por seu trabalho em espectroscopia de raios-X e áreas afins no estudo dos raios X.
  • John Ambrose Fleming (1849-1945): fengenheiro eletrônico e físico britânico, aluno de James Clerk Maxwell nas cadeiras de matemática e eletricidade. Foi consultor científico de Guglielmo Marconi, de 1899 a 1905, onde desenvolveu técnicas de radiotelegrafia, osciladores de centelhamento, geradores de ruído branco e desenvolvimento de circuitos sintonizados. Aperfeiçoou diversos sistemas de geradores e luminárias elétricas quando trabalhou para Thomas Alva Edison na Edson Electric Light Company, em Londres, de 1881 a 1891. Encontrou solução viável do Efeito Edison, (1880), sobre as válvulas termoiônicas, construindo um diodo detetor para sinais de radiofrequência em 1904, de uma lâmpada com um cilindro metálico cercando o filamento ( primeiro detetor eletrônico das ondas de rádio). Esta válvula eletrônica foi a base para a invenção e melhoramento do primeiro equipamento de rádio utilizando dispositivos termoiônicos.
  • Max Planck (1858-1947): físico alemão considerado o pai da física quântica e um dos físicos mais importantes do século XX.  Em 1899, após pesquisar as radiações eletromagnéticas, descobriu uma nova constante fundamental, batizada posteriormente em sua homenagem como Constante de Planck11 , e que é usada, por exemplo, para calcular a energia do fóton. Um ano depois, descobriu a lei da radiação térmica, chamada Lei de Planck da Radiação. Essa foi a base da teoria quântica, que surgiu dez anos depois com a colaboração de Albert Einstein e Niels Bohr.  Planck foi laureado com o Nobel de Física de 1918, por suas contribuições na área da física quântica.
  • Philipp Lenard (1862-1947): físico alemão e vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1905 por suas pesquisas sobre os raios catódicos e a descoberta de muitas das suas propriedades.
  • Edward Arthur Milne (1896-1950): astrofísico e matemático que propôs o modelo de Milne e teve uma cratera da lua nomeada em sua honra.
  • Robert Millikan (1868-1953): físico estadunidense que recebeu o Nobel de Física de 1923, por trabalhos sobre cargas elétricas elementares e o efeito fotoeléctrico. Foi presidente do Conselho Executivo no Instituto de Tecnologia da Califórnia de 1921-1945, órgão que escola na época. Ele também atuou no conselho de administração para a Science Service, hoje conhecida como Sociedade para a Ciência e o Público, 1921-1953.
  • Charles Stine (1882-1954): foi um químico e vice presidente da DuPont que criou o laboratório a partir da qual nylon foram feitas e outras invenções significativas. Ele também era um cristão devoto que foi o autor de um livro sobre a religião e a ciência.
  • ET Whittaker (1873-1956): foi um matemático e astrônomo britânico. Converteu-se ao catolicismo em 1930 e foi membro da Pontifícia Academia de Ciências. Foi o grande apologeta cristão  ministrando palestras sobre Teorias do Universo e fortes argumentos para a existência de Deus.
  • Johannes Stark (1874-1957):  físico alemão que estava intimamente envolvido com o movimento Deutsche Physik sob o regime nazista. Ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1919 por sua “descoberta do efeito Doppler nos raios canal e a divisão das linhas espectrais em campos elétricos” (o último é conhecido como o efeito Stark).
  • Milutin Milankovic (1879-1958): foi um engenheiro e geofísico sérvio conhecido por seus estudos sobre a idade do gelo e sobre a sua relação com a órbita da terra.
  • Max von Laue (1879-1960): físico alemão vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1914 pela descoberta da difração de raios-X em cristais.
  • Arthur Compton (1892–1962): físico estadunidense laureado com o Nobel de Física de 1927, dividido com o físico escocês Charles Thomson Rees Wilson, pela descoberta do “efeito Compton” de diminuição de energia de um fóton de raio-X ou de raio gama, quando ele interage com a matéria.
  • Ronald Fisher (1890-1962): foi um estatístico, biólogo evolutivo e geneticista inglês. Foi descrito por Anders Hald como “um gênio que criou praticamente sozinho as fundações para a ciência moderna” e Richard Dawkins o descreveu como “o maior dos sucessores de Darwin”.
  • Victor Francis Hess (1883-1964):. Físico austríaco-americano que ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1936 pela descoberta dos raios cósmicos. Ele escreveu sobre o tema da ciência e da religião em seu artigo “Minha Fé “.
  • Georges Lemaître (1894-1966): foi um padre católico, astrônomo, cosmólogo e físico belga. Propôs o que ficou conhecido como teoria da origem do Universo do Big Bang, que ele chamava de “hipótese do átomo primordial”.
  • Lise Meitner (1878-1968): foi uma física austríaca que estudou radioatividade e física nuclear, tendo sido a descobridora da fissão nuclear.
  • John Boyd Orr (1880-1971): médico escocês e biólogo vencedor do Nobel da Paz pelo seu trabalho de pesquisa científica sobre nutrição e pelo seu desempenho na Organização das Nações Unidas para a Agricultura e a Alimentação (FAO).
  • Kathleen Lonsdale (1903-1971): cristalógrafa irlandêsa, primeira professora do sexo feminino da university College de Londres, a primeira mulher presidente da União Internacional de Cristalografia, e primeira mulher presidente da Associação Britânica para o Avanço da Ciência.
  • Clyde Cowan (1919-1974): físico norte-americano vencedor do Prêmio Nobel de Física em 1995 e co-descobridor do neutrino, juntamente com Frederick Reines. A descoberta foi feita em 1956 no experimento neutrino.
  • George R. Price (1922-1975): geneticista populacional americano, ex- ateu e forte convertido ao cristianismo. Ele passou a escrever comentários sobre o Novo Testamento e porções dedicados de sua vida a ajudar os pobres.
  • Theodosius Dobzhansky (1900-1975): foi um geneticista e biólogo evolutivo russo-estadunidense. Forte opositor do criacnionismo, comentou em uma palestra “Nada em biologia faz sentido exceto à luz da evolução”, e argumentou que a ciência e a fé não se contradizem.
  • Werner Heisenberg (1901-1976): físico teórico alemão que recebeu o Prêmio Nobel de Física em 1932 “pela criação da mecânica quântica, cujas aplicações levaram à descoberta, entre outras, das formas alotrópicas do hidrogênio”.
  • Michael Polanyi (1891-1976): polímata húngaro-britânico que fez contribuições teóricas importantes para a físico-química, economia e filosofia. Ele era um membro da Royal Society e um membro do Merton College.
  • Wernher von Braun (1912-1977): foi um engenheiro alemão e uma das figuras principais no desenvolvimento de foguetes na Alemanha Nazista e nos Estados Unidos, além de um pioneiro e visionário das viagens espaciais. Ele é mundialmente conhecido por sua participação como projetista chefe do primeiro foguete de grande porte movido a combustível líquido produzido em série, o Aggregat , e por liderar o desenvolvimento do foguete Saturno V, que levou os astronautas dos EUA à Lua, em julho de 1969.
  • Kurt Gödel (1906–1978): foi um matemático austríaco, naturalizado norte-americano. O trabalho mais conhecido de Gödel é seu teorema da incompletude, no qual afirma que qualquer sistema axiomático suficiente para incluir a aritmética dos números inteiros não pode ser simultaneamente completo e consistente. Isto significa que se o sistema é auto-consistente, então existirão proposições que não poderão ser nem comprovadas nem negadas por este sistema axiomático. E se o sistema for completo, então ele não poderá validar a si mesmo — seria inconsistente.
  • Pascual Jordan (1902-1980): físico teórico alemão. Dedicou-se principalmente ao desenvolvimento da mecânica quântica, resultando de seus trabalhos a teoria quântica de campos.
  • Peter Stoner (1888-1980): Presidente dos Departamentos de Matemática e Astronomia em Pasadena City College até 1953; Presidente da divisão de ciência, Westmont College , 1953-1957; Professor Emérito de Ciência, Westmont College; Professor Emérito de Matemática e Astronomia, Pasadena City College.
  • Henry Eyring (1901-1981): químico americano conhecido por desenvolver a equação de Eyring.
  • Mary Kenneth Keller (1914-1985): freira americana que foi a primeira mulher a ganhar um PhD em Ciência da Computação nos EUA.
  • Sewall Wright (1889-1988): geneticista americano conhecido por seu influente trabalho sobre a teoria evolutiva e também por seu trabalho na análise do caminho.
  • William G. Pollard (1911-1989): físico e sacerdote americano que começou sua carreira como professor de Física em 1936 na Universidade de Tennessee . Em 1946 ele defendeu a organização do Instituto de Oak Ridge de Estudos Nucleares (ORINS). Ele foi diretor executivo até 1974. Foi ordenado sacerdote em 1954. Foi o autor e co-autor de uma quantidade significativa de material nas áreas de Cristianismo e Ciência e Religião encontrada em livros, capítulos de livros e artigos de revistas . Ele foi por vezes referido como o “diácono atómica.”
  • Frederick Rossini (1899-1990): americano conhecido por seu trabalho em termodinâmica e química. Na ciência, ele recebeu a Medalha Priestley e a Medalha Nacional de Ciência. Um exemplo da segunda medalha é retratado. Como um católico, ele recebeu a Medalha da Universidade de Notre Dame Laetare. Ele era decano da Faculdade de Ciências em Notre Dame 1960-1971, uma posição que ele pode ter tomado em parte devido à sua fé.
  • Jérôme Lejeune (1926-1994): pediatra francês e geneticista conhecido para a investigação de anormalidades cromossômicas, principalmente a síndrome de Down. Ele foi o primeiro presidente da Academia Pontifícia para a Vida e foi nomeado um “Servo de Deus”.
  • Alonzo Church (1903-1995): matemático e lógico norte-americano que fez grandes contribuições para a lógica matemática e os fundamentos da ciência da computação teórica. Ele era um membro vitalício da igreja presbiteriana.
  • Ernest Walton (1903-1995): físico irlandês que ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1951 por seu trabalho com John Cockcroft com experimentos “atom-smashing” feito na Universidade de Cambridge em 1930, e assim se tornou a primeira pessoa na história a dividir artificialmente o átomo.
  • Nevill Francis Mott (1905-1996): físico britânico vencedor do Nobel de Física de 1977, por estudos teóricos fundamentais das estruturas eletrónicas magnéticas e de sistemas desordenados. Foi Professor Cavendish de Física de 1954 a 1971.
  • Mary Celine Fasenmyer (1906–1996): física e matemática americana conhecida por seu trabalho em funções hipergeométricas e álgebra linear.
  • John Eccles (1903-1997): neurofisiologista australiano vencedor do Nobel de Fisiologia ou Medicina de 1963, por realizar pesquisas sobre o mecanismo dos impulsos nervosos e seu modo de transmissão.
  • Derek Barton (1918-1998): químico britânico vencedor do Nobel de Química de 1969. Sócio correspondente estrangeiro da Academia das Ciências de Lisboa.
  • Arthur Leonard Schawlow (1921-1999): físico estadunidense vencedor do Nobel de Física de 1981, pela descoberta de violações dos princípios fundamentais de simetria no decaimento de mesons-K neutros.
  • Carlos Chagas Filho (1910-2000): médico, professor, diplomata, cientista e ensaísta brasileiro. Ocupou a cadeira 9 da Academia Brasileira de Letras e a chefiou por 16 anos.

2001-hoje (século XXI)

Nos séculos passados, tivemos o tempo da Metafísica, o tempo da Teologia, o tempo da exaltação da Razão Iluminista; hoje, continuando o século XX, entramos no tempo da Ciência, aparentemente, toda poderosa, sendo que os progressos estimulam esse sentimento. Recentemente, a ciência avançou muito na biologia humana pelo estudo do DNA e do nosso Genoma.

Alan Sandage (1926 —2010) considerado por vários orgãos internacionais como um dos maiores físicos do século XX.
Alan Sandage (1926 —2010) considerado por vários orgãos internacionais como um dos maiores físicos do século XX.

Os avanços são tais que espantam os próprios pesquisadores, e tornam-se cada vez mais frequentes as perguntas sobre a necessidade de uma orientação, de um controle social, ético e jurídico nessa área tão delicada quanto complexa e misteriosa. Neste início O interesse na relação entre ciência e religião tem aumentado nas últimas décadas. Devido a controvérsias, continuaram o reconhecimento de prêmios como o Prêmio Templeton, vencido várias vezes por representantes cristãos.

  • Sir Robert Boyd (1922-2004): Um pioneiro na ciência espacial britânica que foi vice-presidente da Royal Astronomical Society.
  • Alberto Dou Mas de Xaxàs (1915-2009): padre jesuíta espanhol / catalão, um dos matemáticos mais importantes de seu país. Ele era um membro da Academia Real de Ciências e um professor de Matemática na Universidade Complutense de Madrid e foi reitor da Universidad de Deusto 1974-1977.
  • Richard Smalley (1943-2005): químico estadunidense vencedor do Nobel de Química em 1996, Pela Descoberta de uma nova forma de carbono. Foi professor de física e astronomia na Universidade de Rice em Houston, Texas.
  • Mariano Artigas (1938-2006): físico, filósofo, professor universitário e sacerdote da Igreja Católica, membro da Sociedade Sacerdotal da Santa Cruz e Opus Dei.
  • Laurence Kulp (1921-2006): Importante geoquímico do século XX que liderou importantes estudos sobre os efeitos da radiação nuclear e chuva ácida .
  • Arthur Peacocke (1924-2006): sacerdote anglicano e bioquímico britânico vencedor do Prêmio Templeton 2001, suas idéias podem ter influenciado visualizações anglicanas e luteranas de evolução.
  • John Billings (1918-2007): médico australiano que desenvolveu o método da ovulação Billings de planejamento familiar natural.
  • Russell L. Mixter (1906-2007): cientista americano, conhecido por liderar a American Scientific Affiliation (ASA), opositor ferrenho da teoria da evolução e defensor do criacionismo progressivo.
  • CF von Weizsäcker (1912-2007): físico nuclear alemão que foi o co-descobridor da fórmula de Bethe-Weizsäcker.
  • John Archibald Wheeler (1911-2008): físico teórico americano que foi o grande responsável por reavivar o interesse na relatividade geral nos Estados Unidos após a Segunda Guerra Mundial. Um dos colaboradores posteriores do Albert Einstein, ele tentou alcançar a visão de Einstein de uma teoria do campo unificado. Ele também é conhecido por popularizar o termo buraco negro, e por cunhar o termo buraco de minhoca.
  • Stanley Jaki (1924-2009): foi um padre beneditino húngaro e professor de Física da Universidade Seton Hall, New Jersey desde 1975. Ele foi um dos principais colaboradores para a filosofia da ciência e da história da ciência, e em particular sua relação com o cristianismo.
  • Nicola Cabibbo (1935-2010): físico italiano, mais conhecido por seu trabalho sobre a interação fraca. Ele também foi o presidente do Instituto Nacional de Física Nuclear italiano 1983-1992, e de 1993 até sua morte, ele era o presidente da Academia Pontifícia das Ciências.
  • Allan Sandage (1926-2010): astrônomo estadunidense creditado com a descoberta dos quasares, pequenos objetos cósmicos azuis que podem ser lugares onde nascem as estrelas. Sandage foi apontando por vários orgãos internacionais como um dos maiores físicos do século XX.
  • Ernan McMullin (1924-2011): sacerdote católico, filósofo da ciência que ensinou na Universidade de Notre Dame. Escreveu sobre a relação entre a cosmologia e a teologia, o papel dos valores na compreensão da ciência e o impacto da ciência no pensamento religioso ocidental.
  • Joseph Murray (1919-2012): Um cirurgião Católico vencedor d o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina em 1990. Foi pioneiro em cirurgia de transplante.
  • Ian Barbour (1923-2013): estudioso norte-americano creditado por criar o campo contemporâneo da ciência e da religião.
  • Walter Thirring (1927-2014) físico austríaco que ficou conhecido por ser nomeado pelo modelo Thirring em teoria quântica de campos. Ele escreveu “Impressões Cósmicas: Traços de Deus nas Leis da Natureza”.
  • Charles H. Townes (1915-2015): físico norte-americano vencedor do Nobel de Física em 1964, por trabalhos fundamentais no campo da eletrônica quântica, conduzindo à construção de osciladores e amplificadores baseados no princípio dos maser e laser.

Vivos:

Francis Collins (Nascido em 14 de abril de 1950) É considerado um dos cientistas mais respeitados da atualidade.
Francis Collins (Nascido em 14 de abril de 1950) É considerado um dos cientistas mais respeitados da atualidade.

Esta lista foi elaborada para identificar os pensadores cristãos significativos na ciência que estão vivos hoje. Aqueles que lideram organizações de cristãos na ciência ou que escrevem obras a respeito de como os cristãos de hoje veem à ciência.

Biomedicina:

  • Eben Alexander (nascido em 1953): cético, defensor da lógica científica e neurocirurgião há mais de 25 anos, o Dr. Eben Alexander viu sua vida virar do avesso quando passou por uma experiência que ele mesmo considerava impossível. Vítima de uma meningite bacteriana grave, ficou em coma por sete dias. Enquanto os médicos tentavam controlar a doença, algo extraordinário aconteceu. Eben embarcou numa jornada por um mundo completamente estranho. Sem consciência da própria identidade, foi mergulhando cada vez mais fundo nessa realidade difusa, onde conheceu seres celestiais e fez descobertas transformadoras sobre a existência da vida após a morte e a profunda relação que todos nós temos com Deus. Quando os médicos já pensavam em suspender seu tratamento, o inesperado aconteceu: seus olhos se abriram. Ele estava de volta. Mas nunca mais seria o mesmo. Aquela experiência o levou a questionar tudo em que acreditava até então. Afinal, como neurocirurgião, ele sabia que o que vivenciou não poderia ter sido uma mera fantasia produzida por seu cérebro, que estava praticamente destruído. Analisando as evidências à luz dos conhecimentos científicos, o Dr. Eben decidiu compartilhar essa incrível história para mostrar que ciência e espiritualidade podem – e devem – andar juntas.
  • Werner Arber (nascido em 1929): é um microbiologista suíço e geneticista. Junto com pesquisadores americanos Hamilton Smith e Daniel Nathans, Werner Arber dividiu o Prêmio Nobel 1978 em Fisiologia e Medicina pela descoberta de enzimas de restrição. Em 2011, o Papa Bento XVI nomeou Arber como Presidente da Pontifícia Academia, o primeiro protestante a manter essa posição.
  • Robert T. Bakker (nascido em 1945): é um paleontólogo americano que ajudou a criar e desenvolver diversas teorias modernas sobre dinossauros, principalmente a teoria de que muitas espécies seriam endergónicos (de sangue quente). Ele também é um pregador pentecostal que defende a evolução teísta e tem escrito vários artigos sobre religião.
  • RJ Berry (nascido em 1934): é um geneticista britânico . Foi professor de genética na Universidade de Londres entre 1974-2000. Foi presidente 1983-1986 da Linnean Society , a British Ecological Society e a Federação Europeia Ecológica . Como cristão , Berry se pronunciou a favor do evolucionismo-teísta .
  • Ben Carson (nascido em 1951): neurocirurgião americano creditado como sendo o primeiro cirurgião a separar com sucesso gêmeos siameses unidos pela cabeça. Carson afirmou em uma entrevista : “eu não acredito em evolução …. eu simplesmente não tenho fé suficiente para acreditar que algo tão complexo como a nossa capacidade de racionalizar, pensar e planejar, e ter um senso moral do que é certo e errado, apenas apareceu por obra do acaso”.
  • Francis Collins (nascido em 1950): é um geneticista americano considerado um dos cientistas mais respeitados da atualidade. Foi diretor do Projeto Genoma Humano e um dos responsáveis por um feito espetacular da ciência moderna: o mapeamento do DNA humano, em 2001, trabalhando no que há de mais moderno em torno do estudo do DNA, o código da vida. Com isso, tornou-se o cientista que mais rastreou genes com a finalidade de encontrar tratamento para diversas doenças. Collins, além de ser conhecido pelo seu compromisso com a investigação do mundo natural, é conhecido também por não deixar que sua profissão impeça sua fé religiosa; pelo contrário. Considerado um cientista religioso, se tornou cristão protestante aos 27 anos de idade. Alvo de críticas de alguns de seus colegas que não creem em Deus, Collins decidiu reagir. Ele lançou em 2006 nos Estados Unidos o livro A Linguagem de Deus. Nas quase 300 páginas da obra, o biólogo conta como deixou de ser ateu para se tornar cristão aos 27 anos e narra as dificuldades que enfrentou no meio acadêmico ao revelar sua fé.
  • Darrel R. Falk (nascido em 1946): é um biólogo norte-americano , professor de Biologia da Point Loma Nazarene University e ex-presidente do grupo de defesa cristão, Fundação BioLogos .
  • Charles Foster (nascido em 1962): é um escritor de ciência na história natural, biologia evolutiva e teologia.
  • John Gurdon (nascido em 1933): é um biólogo do desenvolvimento britânico. Em 2012, ele e Shinya Yamanaka foram laureados com o Prêmio Nobel de Fisiologia e Medicina pela descoberta de que células maduras podem ser convertidos em células-tronco.
  • Brian Heap (nascido em 1935): Biólogo que era Mestre do Colégio de St Edmund, da Universidade de Cambridge e foi membro fundador da Sociedade Internacional para a Ciência e Religião.
  • William B. Hurlbut (nascido em 1945): é um médico e Professor de neurobiologia no Stanford University Medical Center. Além de ensinar na Universidade de Stanford, Hurlbut tem servido por oito anos no Conselho do Presidente sobre Bioética e é conhecido nacionalmente por sua defesa de Transferência Nuclear Alteradas (ANT).
  • Brian Kobilka (nascido em 1955): é Químico vencedor do Prêmio Nobel de Química Americana, em 2012, e é professor nos departamentos de Fisiologia Molecular e Celular da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford. Kobilka atende a comunidade católica na Universidade de Stanford, Califórnia.
  • Denis Lamoureux (nascido em 1954): é um biólogo e teólogo evolucionista, detentor de uma cátedra de ciência e religião no Colégio de St. Joseph, da Universidade de Alberta, no Canadá .
  • Noella Marcellino (nascido em 1951 é uma freira beneditina americana que ganhou um doutorado em microbiologia da Universidade de Connecticut. Seu campo de interesses incluem os fungos e os efeitos da decadência e podridão.
  • Alister McGrath (nascido em 1953): é um teólogo cristão, apologista, professor de Teologia, Religião e Cultura, na King’s College, de Londres e pesquisador sênior do Harris Manchester College. Possui pós-doutorado em biofísica molecular e doutorado em teologia pela universidade de Oxford. Seu interesse principal se concentra na história do pensamento cristão, com ênfase particular na relação entre as ciências naturais e a fé cristã. Ex-ateu, o Dr. McGrath é considerado um dos mais influentes pensadores cristãos da atualidade. Tem combatido abertamente as ideologias neo-ateístas como as de Richard Dawkins e seu livro Deus, um Delírio.
  • Kenneth R. Miller (nascido em 1948): é um biólogo norte-americano e professor da Brown University. Ele é um católico convícto e conhecido por sua posições contrárias ao criacionismo e ao Intelligent Design.
  • Simon C. Morris (nascido em 1951): paleontólogo britânico que fez sua reputação através do estudo dos fósseis de Burgess Shale. Ele foi o co-vencedor de uma medalha de Doolittle Walcott Charles e também ganhou uma medalha de Lyell. Como cristão, é mais popularmente conhecido por seus pontos de vista teístas da evolução biológica .
  • William Newsome (nascido em 1952): neurocientista da Universidade de Stanford, que trabalha para “compreender os processos neuronais que medeiam a percepção visual e comportamento visualmente guiado”. Ele é membro da Academia Nacional de Ciências.
  • Martin Nowak (nascido em 1965): O biólogo evolucionista e matemático diretor do programa de Dinâmica da Evolução na Universidade de Harvard. Nowak trabalha na dinâmica de doenças infecciosas, genética do cancer, na evolução da cooperação e na linguagem humana.
  • Ghillean Prance (nascido em 1937): botânico notável envolvido no Projeto Éden. Foi diretor dos Jardins Botânicos Reais de Kew em Londres (1988–1999), e durante oito anos liderou expedições botânicas à Amazónia. É actualmente presidente d’A Rocha.
  • Joan Roughgarden (nascido em 1946): bióloga evolucionista , professora da Universidade de Stanford desde 1972.  Autora do livro “Evolução e Fé Cristã: Reflexões de um biólogo evolucionista”.
  • Mary Higby Schweitzer: (nascida em ???) paleontóloga da Universidade Estadual da Carolina do Norte, que acredita firmemente na sinergia da fé cristã e na verdade da ciência empírica.

Química:

  • Gerhard Ertl (nascido em 1936): Físico alemão, vencedor do Nobel de Química de 2007. É professor emérito no Departamento de Química Física, no Instituto Fritz-Haber da Max-Planck-Gesellschaft em Berlim.. Ele disse em uma entrevista “Eu acredito em Deus. (…) Eu sou um cristão e eu tento viver como cristão (…) eu leio a Bíblia, muitas vezes, e eu tento entendê-la.
  • Henry F. Schaefer, III (nascido em 1944): químico computacional norte-americano, professor de Química e diretor do Centro de Química computacional da Universidade da Geórgia. È as vezes creditado como um dos maiores defensores do DI da atualidade apesar de o mesmo não se atuo-rotular dessa dorma dizendo que é apenas um “Defensor de Cristo”. É aclamado como um dos maiores cientistas da atualidade.
  • Brian Kobilka (nascido em 1955): ganhador do Prêmio Nobel de Química em 2012, e é professor nos departamentos de Fisiologia Molecular e Celular da Faculdade de Medicina da Universidade de Stanford. Kobilka atende a comunidade católica na Universidade de Stanford, na Califórnia
  • Richard H. Smith Jr. (nascido em 1945): químico orgânico, professor e pesquisador. Foi nomeado químico do Ano em 1995 em Maryland. Ele atualmente ensina química e outros assuntos em McDaniel College, em Maryland.

Física e Astronomia:

  • Antony Hewish (nascido em 1924): rádio astrônomo britânico que ganhou o Prêmio Nobel de Física em 1974 (junto com Martin Ryle) por seu trabalho sobre o desenvolvimento da síntese da abertura de rádio e de seu papel na descoberta de pulsares. Ele também foi premiado com a Medalha da Sociedade Astronômica Real, em 1969.
  • Antonino Zichichi (nascido em 1929): físico nuclear italiano e ex-presidente do Istituto Nazionale di Fisica Nucleare. Ele já trabalhou com o Vaticano sobre as relações entre a Igreja e Ciência.
  • George Coyne (nascido em 1933): Jesuita astrônomo e ex-diretor do Observatório do Vaticano.
  • Guy Consolmagno (nascido em 1952): astrônomo jesuíta norte-americano que trabalha no Observatório do Vaticano.
  • John Polkinghorne (nascido em 1930): físico de partículas e padre anglicano britânico vencedor do Prêmio Templeton 2002.
  • Owen Gingerich (nascido em 1930): pesquisador e professor de astronomia e de história da ciência na Universidade de Harvard e um astrônomo emérito no Observatório Astrofísico Smithsonian. Gingerich também escreveu muitos livros sobre história da astronomia e é membro da Academia de Artes e Ciências dos Estados Unidos, da Sociedade Filosófica Americana e da Academia Internacinal de História da Ciência. Tem sido ativo na Afiliação Científica Americana, uma sociedade de cientistas evangélicos e faz atualmente parte do conselho administrativo da Fundação John Templeton.
  • Russell Stannard (nascido em 1931): físico britânico e professor Emérito de Física na Universidade Aberta . Em 1986, ele foi vencedor do Prêmio Templeton por “contribuições significativas para o campo dos valores espirituais; em especial para as contribuições para uma maior compreensão da ciência e da religião “. Ele foi premiado com o OBE por ‘contribuições para a física, a Universidade Aberta, e a popularização da ciência “(1998) e a Medalha de Bragg e Prêmio do Instituto de Física para’ distintas contribuições para o ensino da Física” (1999).
  • Michał Heller (nascido em 1936): físico, matemático e padre católico vencedor do Prêmio Templeton de 2003. Membro da Pontifícia Academia de Teologia, membro fundador da Sociedade Internacional para a Ciência e Religião. Escreveu vários artigos sobre física relativista e geometria não comutativa.
  • George Francis Rayner Ellis (nascido em 1939): professor de Sistemas Complexos no Departamento de Matemática e Matemática Aplicada da Universidade da Cidade do Cabo, na África do Sul. Ao lado do físico Stephen Hawking, da Universidade de Cambridge é considerado um dos principais teóricos em cosmologia do Mundo. É um ativo Quaker e, em 2004, venceu o Prêmio Templeton . Atualmente, George Ellis é presidente da International Society for Science and Religion.
  • Joseph H. Taylor, Jr. (nascido em 1941): físico estadunidense vencedor do Nobel de Física de 1993, pela descoberta de um novo tipo de pulsar, abrindo novas possibilidades no estudo da gravitação.
  • Colin Humphreys (nascido em 1941): físico britânico e professor dos antigos ourives de Ciência dos Materiais e atual Diretor de Pesquisa da Universidade de Cambridge, professor de Física Experimental na Instituição Real de Londres.
  • Christopher Isham (nascido em 1944): físico teórico, filósofo e teólogo, inventor de uma aproximação com a lógica quântica temporais chamado o formalismo HPO , e trabalhou em gravidade quântica em loop e quântica dinâmicas geométricas . Juntamente com John Baez , Isham é conhecido como um defensor da utilidade da teoria da categoria em física teórica. Nos últimos anos, ele tem trabalhado em uma nova abordagem para a teoria quântica baseada em topos teoria. Seus principais interesses de pesquisa são a gravidade quântica e estudos fundamentais em teoria quântica.
  • Frank J. Tipler (nascido em 1947): físico e matemático cosmólogo , responsável pela nomeação conjunta dos Departamentos de Matemática e Física na Universidade de Tulane . Tipler é autor de livros e artigos sobre o Ponto Omega , que ele alega ser um mecanismo para a ressurreição dos mortos. Ele também é conhecido por suas teorias sobre o cilindro de Tipler máquina do tempo.
  • Richard Gott (nascido em 1947): professor de ciências astrofísicas da Universidade de Princeton. Ele é conhecido por desenvolver e defender duas teorias cosmológicas com o teor de ficção científica: a viagem no tempo e o argumento do Juízo Final. Quando perguntado sobre suas visões religiosas em relação à ciência, Gott respondeu: “eu sou um presbiteriano. Eu acredito em Deus, eu sempre pensei que era a posição humilde para se tomar. Eu gosto do que Einstein disse:..” Deus é sutil, mas não malicioso. Eu acho que se você quer saber como o universo começou, isso é uma questão legítima para a física”.
  • William Daniel Phillips (nascido em 1948): físico americano vencedor do Nobel de Física de 1997, pelo desenvolvimento de método para esfriar e fixar átomos com laser de luz (arrefecimento a laser).
  • John D. Barrow (nascido em 1952): cosmólogo britânico vencedor do Prêmio Templeton de2006. Fez notáveis escritos sobre as implicações do princípio antrópico.
  • John Hartnett (nascido em 1952): físico australiano conhecido por sua oposição ao Big Bang. Atualmente trabalha como pesquisador na Universidade de Adelaide, Sul da Australia. Publicou mais de 200 artigos científicos, capítulos de livros e anais de conferências. Ele também tem escrito artigos para vários jornais criacionistas e, de acordo com a Criação Ministries International, Hartnett “acredita que Deus é o verdadeiro criador do universo como diz a Bíblia “.
  • Stephen Barr (nascido em 1953): professor do Departamento de Física e Astronomia da Universidade de Delaware , e membro do Instituto de Pesquisa Bartol. Ele faz pesquisa em física de partículas e a cosmologia teórica.
  • Stephen Meyers ( nascido em 1958): diretor do Centro para Ciência e Cultura do Instituto Discovery, em Seattle, e um dos principais porta-vozes do Design Inteligente. Obteve seu Ph.D. em Filosofia da Ciência com uma dissertação sobre a história da biologia da origem da vida e da metodologia das ciências históricas. Após graduar-se em física e geologia, trabalhou como geofísico para a companhia Atlantic Richfield. É co-autor de dois livros sobre design inteligente e darwinismo, além de diversos artigos.
  • Andrew Pinsent (nascido em 1966): diretor de pesquisa do Centro Ian Ramsey para a Ciência e Religião na Universidade de Oxford, bolseiro de investigação de Harris Manchester College e membro da Faculdade de Teologia e Religião na Universidade de Oxford. Ele também é um sacerdote da diocese de Arundel e Brighton, na Inglaterra.
  • Juan Maldacena (nascido em 1968): físico teórico argentino que descobriu a realização mais confiável do princípio holográfico – ou seja, a AdS / CFT correspondência, a conjectura sobre a equivalência da teoria das cordas em Anti-de Sitter (AdS) espaço , e um conformal teoria de campo definida no limite do espaço de anúncios.
  • Pamela L Gay (nascida em 1973): astrônomo americana, educadora e escritora, mais conhecida por seu trabalho em pós fundição astronômica.
  • Ard Louis (nascido em ???) professor de Física Teórica da Universidade de Oxford , onde ele lidera um grupo de pesquisa interdisciplinar que estuda problemas na fronteira entre a química, física e biologia, e também é diretor de estudos de pós-graduação em física teórica.
  • Manuel García Doncel (nascido em 1930) físico espanhol jesuíta, ex-professor de Física na Universidade de Barcelona.

Engenharia:

  • Richard H. Bube (nascido em 1927): professor emérito de ciências de materiais na Universidade de Stanford. Ele é membro da Confederação Scientific American.
  • Donald Knuth (nascido em 1938): cientista computacional de renome e professor emérito da Universidade de Stanford. É o autor do livro The Art of Computer Programming, uma das principais referências da ciência da computação. Ele praticamente criou o campo análise de algoritmos e fez muitas das principais contribuições a vários ramos da teoria da computação. Ele também criou o sistema tipográfico TEX, o sistema de criação de fontes METAFONT, além de ser pioneiro do conceito de programação literária. Finalmente, desenvolveu o conceito de número surreal.

Outros:

  • Freeman Dyson (nascido em 1923): físico e matemático inglês que teorizou sobre a possibilidade de que uma sociedade avançada pudesse circundar completamente uma estrela para maximizar a captura da energia emitida, mediante nuvens de asteróides, o que foi denominado esfera de Dyson.
  • John T. Houghton (nascido em 1931): físico galês co-presidente do Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas. Ganhou uma medalha de ouro da Royal Astronomical Society.
  • John Suppe (nascido em 1943): geólogo americano que é professor de geologia na Universidade Nacional de Taiwan e da Universidade de Princeton . Suppe também é bem conhecido por seu extenso trabalho sobre a formação de cadeias de montanhas com exemplos da Califórnia, Taiwan e China.
  • Eric Priest (nascido em 1943): matemático e astrônomo britânico e, juntamente com os outros membros do seu grupo de pesquisa em St Andrews, está actualmente a investigar um grande número de fenômenos solares, incluindo manchas solares , aquecimento coronal, propagação de ondas, reconexão magnética , instabilidades magnéticas, estruturas magnéticas e heliosismologia .
  • Paul Davies (nascido em 1946): físico, escritor e apresentador de origem britânica, reconhecido internacionalmente. Atualmente ocupa o cargo de professor de Filosofia Natural no Centro Australiano de Astrobiologia na Universidade de Macquaire, Sydney. Doutor pela Universidade de Londres, trabalhou também nas universidades de Cambridge, Newcastle upon Tyne e Adelaide. Seus campos de pesquisa incluem cosmologia, teoria quântica de campos e Astrobiologia. Desde 2005, ocupa a liderança da SETI: Post-Detection Science and Technology Taskgroup da International Academy of Astronautics.
  • Mike Hulme (nascido em 1960): professor de Clima e Cultura do Departamento de Geografia da Faculdade Londres do rei . Anteriormente, foi professor de Mudanças Climáticas na Escola de Ciências Ambientais da Universidade de East Anglia (UEA).
  • Michael Reiss (nascido em 1960): bioético, educador, jornalista e sacerdote anglicano britânico. Professor de Educação em Ciências no Instituto de Educação , Universidade de Londres , onde ele é diretor assistente de Investigação e Desenvolvimento.
  • Rosalind Picard (nascido em 1962): Professora de Artes e Ciências de Mídia no MIT (Massachusetts Institute of Technology). Foi nomeada membro do Instituto de Engenheiros Elétricos e Eletrônicos.
  • John Lennox (nascido em 1945) matemático irlandês e um dos principais apologistas cristãos da atualidade
    John Lennox (nascido em 1945) matemático irlandês e um dos principais apologistas cristãos da atualidade

    John Lennox (nascido em 1945): matemático irlandês, filósofo da ciência , e apologista cristão. Professor de Matemática da Universidade de Oxford e, ao lado de William Lane Craig é considerado uma das principais figuras da intelectualidade evangélica da atualidade.

  • Justin L. Barrett (nascido em 1971): diretor do The Thrive Center for Human Development. Professor de Desenvolvimento da Ciência e Professor de Psicologia da Fuller Graduate School of Psychology. Anteriormente, ocupou o cargo de pesquisador sênior do Centro de Antropologia e da Mente e do Instituto de Antropologia Evolucionária e Cognitiva na Universidade de Oxford.
  • Denis Alexander (nascido em 1945): biólogo molecular e diretor Emérito do Instituto Faraday para Ciência e Religião em St Edmund College, em Cambridge.
  • Raymond Vahan Damadian ( nascido em 1936): médico e inventor estadunidense  co-inventor da Ressonância magnética.
Mosaico de cientistas cristãos: Isaac Newton, Johannes Kepler, Galileu Galilei, René Descartes, Nicolau Copernico, Carl Linnaeus, Blaise Pascal, Antoine Lavoisier, Leonhard Euler, Robert Boyle, William Harvey, Henrietta Swan Leavitt, John Dalton, Louis Pasteur, Gerty Theresa Cori, Irmãos Wright, Philo Taylor, Farnsworth Dmitri Mendeleev, Max Planck, James Clerk Maxwell, Michael Faraday,Guglielmo Marconi, Gregor Mendel, John von Neumann, Georges Lemaître, JJ Thomson, John Eccles, Enrico Fermi, Fritz Haber, Ivan Pavlov, Bernardo Houssay, Brian Kobilka, Gerhard Ertl, Francis Collins, Tim Berners-Lee.
Mosaico de cientistas cristãos: Isaac Newton, Johannes Kepler, Galileu Galilei, René Descartes, Nicolau Copernico, Carl Linnaeus, Blaise Pascal, Antoine Lavoisier, Leonhard Euler, Robert Boyle, William Harvey, Henrietta Swan Leavitt, John Dalton, Louis Pasteur, Gerty Theresa Cori, Irmãos Wright, Philo Taylor, Farnsworth Dmitri Mendeleev, Max Planck, James Clerk Maxwell, Michael Faraday,Guglielmo Marconi, Gregor Mendel, John von Neumann, Georges Lemaître, JJ Thomson, John Eccles, Enrico Fermi, Fritz Haber, Ivan Pavlov, Bernardo Houssay, Brian Kobilka, Gerhard Ertl, Francis Collins, Tim Berners-Lee.

 

Por: Helio Medeiros

12 comentários

    • O fato de todos eles terem sido ou de ser cristãos só prova que essa crença milenar foi muito bem engendrada. Numa época remota era obrigatoriedade social imposta na ponta da lança e da espada, noutra apenas uma tradição, Só isso e mais nada.

      • Tu és tolo? Já leu alguma obra destes homens? Ou até mesmo suas biografias? Só para ter uma ideia, Robert Boyle (Pai da Química), era tanto um grande físico-químico quanto um excelente teólogo natural. Um homem de tradição Calvinista, reputado como um “puritano de coração”, que estudou e escreveu sobre teologia bíblica – ortodoxo. Meu caro amigo, falta-lhe conhecimento. Como diz C. S. Lewis,”você para se manter ateu não deve ler muito”. Se possível, leia A Alma da Ciência: fé cristã e filosofia natural, da Nancy Pearcey, Correntes Cruzadas: Interações entre ciência e religião, de Colin A. Russell e veja também A Ciência de Deus: uma introdução a teologia ciêntifica, de Alister McGrath. Para começar é um bom inicio. E depois, estudes para não fale asneiras.

  1. Excelente!
    Mas pra ficar 100% completo, falta só as referências bibliográficas. Seria bom que a maioria dessas referências proviessem de livros, e se é que fossem da internet, que proviessem de sites oficiais e de prestígio.
    Parabéns!

  2. Excelente!
    Mas pra ficar 100% faltam somente as referências bibliográficas. Se possivel, que a maioria destas proviessem de livros, e se são da internet, que sejam de sites oficiais ou de grande prestígio (wikipedia não, por favor rsrsrs).
    Meus parabéns!

  3. A pesquisa a que você se referiu no inicio se refere ao background cultural, e nao à crença em si. Inclusive, a mesma publicação cita einstein como judeu, obviamente fazendo referencia a etnia

  4. Não é preciso nem ler para saber o quanto esse artigo é tendencioso, só pelo titulo dele já revela toda a tentativa patética de credenciar o cristianismo por algo, mas é mais do que óbvio que ser cristão ou não era irrelevante para todos os listados, as mentes deles eram o que importava, então, o cristianismo só vai ter algum papel realmente importante na ciência quando mostrarem um cientista que tenha usado no método de seus experimentos um reza ou tenha feito algum “milagre” para tal, coisa que nenhum destes fez.

    • Tu és tolo? Já leu alguma obra destes homens? Ou até mesmo suas biografias? Só para ter uma ideia, Robert Boyle (Pai da Química), era tanto um grande físico-químico quanto um excelente teólogo natural. Um homem de tradição Calvinista, reputado como um “puritano de coração”, que estudou e escreveu sobre teologia bíblica – ortodoxo. Meu caro amigo, falta-lhe conhecimento. Como diz C. S. Lewis,”você para se manter ateu não deve ler muito”. Se possível, leia A Alma da Ciência: fé cristã e filosofia natural, da Nancy Pearcey, Correntes Cruzadas: Interações entre ciência e religião, de Colin A. Russell e veja também A Ciência de Deus: uma introdução a teologia ciêntifica, de Alister McGrath. Para começar é um bom inicio. E depois, estudes para não fale asneiras.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s